A Falsa Novinha

27 de Junho de 2014 Del Contos Eróticos 2812

Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria


"...despejei um enorme jato de porra selvagem em sua língua..."

Conteúdo originalmente publicado no site Contos Eróticos Aleatórios.

Hoje introduzo mais uma personagem ao meu ról de delícias que passaram pela minha trosoba ardente, trata-se da falsa novinha, uma menina loira falsa de medianos cabelos lisos, com seus 1.70m de altura, peitos deliciosamente grandes, cintura pouco definida e quadris singelos que combinavam com a bundinha branca, pequena e arredondada. Delicadíssima, tem um corpo que não exala tesão ao primeiro momento, até observar-se como seus peitos são empinados. Mas algo a se considerar é seu jeito de novinha rebelde, meio emo, com carinha de menina sapeca e bochechas salientes. Tudo isso completa este néctar envelhecido em barris de carvalho por 25 anos.

Descrever a primeira experiência que tenho com as meninas é chato, portanto resolvi relatar-lhes uma experiência aleatória e interessante que tivemos depois de alguma intimidade de nossa parte. A doce falsa novinha não é carioca, apenas estuda no Rio de Janeiro, portanto seu sotaque delicioso e a forma que ela diz meu nome me tira do sério. E essa experiência única e inesquecível (bem como fictícia, claro) ocorreu em suas férias na terra de origem. Durante uma viagem de trabalho por lá, resolvi convidá-la para um jantar e acertei o timing correto do tesão daquela delicinha.

Era uma noite fresca na cidade da moça, cidade essa aonde as mulheres se vestem deliciosamente sensuais em dias e noites um pouco mais gélidos. Marcamos em um shopping, afinal não sou muito habilidoso em circular naquela cidade, mas isso não importa, o que importa é que minha falsa novinha apareceu diante de mim trajando um sobretudo até os joelhos e botas. Tenho um tesão ímpar por mulheres calçadas em botas, e ver aquela imagem da minha loirinha delícia naquele traje fez o gigante acordar em minha cueca.

Um beijo longo e quente marcou nosso encontro, e eu fiz questão de apalpar aquela bundinha delicada da forma mais discreta e incisiva que o local permitiu. Jantamos em uma aconchegante pizzaria e degustamos uma bela garrafa de vinho, aliás, eu bebi quase tudo enquanto ela ficou apenas em uma sigela taça, suficiente para ruborizar suas bochechas proeminentes e soltar o riso fácil daquela falsa novinha.

No decorrer do jantar minhas mãos percorriam insistentemente suas coxas macias e de circunferência ideal enquanto as pontas dos meus dedos buscavam descobrir o que havia por baixo daquele sobretudo, mas ela sempre me impedia e dava um risinho me chamando de safado. Enquanto isso eu observava como ela era intrigante com aquele rostinho púbere, emoldurado por notáveis franjas de seu cabelo loiro escuro. O sorriso gerado por aquela boca de lábios pequenos era realçado por um gloss que deixava sua boca rósea e brilhante. Quem diria que aquela mocinha tem 25 anos e sabe muito bem utilizar seu ar de inocência para provocar os desejos mais perversos em um homem?

Não demorou muito para que o nosso tesão reprimido estivesse em um nível tão elevado que não poderia ser comportado por um lugar público. Convidei-a para passar aquela noite comigo no hotel, convite prontamente atendido pela loirinha que ainda me ofereceu uma carona em seu Crossfox. Passeamos pelo shopping de mãos dadas e nos beijamos deliciosamente a cada escada rolante no nosso caminho. Quando chegamos ao estacionamento, a imprensei de frente para o carro e pus-me a beijar seu pescoço e sentir seu perfume adocicado. A vantagem de seus cabelos cortados na altura dos ombros era a facilidade da minha língua encontrar aquele pescocinho delicioso.

Enquanto eu percorria seu pescoço com os lábios e a língua e segurava firme em seu quadril enquanto pressionava meu corpo contra o dela, minha delicinha inclinava a cabeça para trás e espalmava os vidros do carro, soltando um gemido e mordendo o lábio inferior em seguida. Logo ela se livrou da minha investida e mandou que eu me afastasse para ela me contar um segredo. Fiz como ela falou, o estacionamento estava vazio pela hora já avançada mas a qualquer momento aparecia uma ou outra pessoa nas proximidades. Assim que me afastei ela começou a desabotoar o sobretudo aos poucos. Cada botão que era liberado eu imaginava o que ela iria me mostrar, talvez uma lingerie sedutora, uma calcinha pequena, um corpete…mas não, assim que o último botão foi liberado ela abriu rapidamente o sobretudo e me mostrou o que havia por baixo: nada!

Por aqueles instantes minha visão foi tomada por aqueles seios grandes, rígidos e incrivelmente voltados para o céu, sua barriga branquinha e ligeiramente saliente, perfeitamente delicada e feminina, pernas igualmente delicadas e sutis e aquela prexequinha depilada à perfeição, com apenas alguns pelinhos negros ornamentando seu monte de vênus ligeiramente saliente. Seu cordão de ouro e a bota de cano até a panturrilha eram os únicos detalhes que se adicionavam à nudez oculta pelo sobretudo.

Minha piroca que já estava rígida fez menção de escapar por qualquer lugar possível e ir como um míssil teleguiado até aquela grutinha. A falsa novinha reparou que eu poderia violentá-la a qualquer momento e imediatamente fechou o sobretudo, enquanto abria um sorriso inesquecível e corava sua pele apesar da sua pouca vergonha. Disse a ela que queria fazer sexo ali, nem que isso nos rendesse um atentado violento ao pudor, mas ela disse para eu ser paciente que logo estaríamos no meu hotel. Ela me  ofereceu a chave do carro e disse que eu não me arrependeria, e ela falava a verdade quando abriu meu zíper logo que passamos pela cancela do estacionamento e me tocou uma suculenta punheta de duas mãos ao longo de todo o caminho até o hotel. Pedi um boquete inúmeras vezes, mas recebi apenas um beijo e algumas lambidinhas na cabeça da trosoba, enquanto ela dizia que no hotel eu teria tudo que eu quisesse.

No elevador a caminho do quarto eu já parti pro ataque com beijos selvagens e minha mão invadindo o que estava oculto pelo sobretudo a qualquer custo. Ela mordia minha orelha e gemia baixinho bem próximo ao meu ouvido, me tirando do sério. Meu dedo logo encontrou aquela prexequinha que revelava-se encharcada e quente, fervilhando, uma delícia. A vontade era arrancar aquele sobretudo de uma vez, destruindo todos os botões e enfiar minha trosoba na menina ali mesmo, para deleite de quem estivesse acompanhando as câmeras de segurança, mas a razão falou mais alto.

Assim que entramos no quarto minha loirinha me encostou na parede mais próxima e foi se abaixando enquanto abria minha calça e colocava minha piroca para fora. De todas as mulheres que já copulei, poucas tinham tanta admiração pela minha pica quanto a falsa novinha. Sempre antes do boquete, do sexo ou de qualquer coisa, ela sempre pegava meu mastro em suas mãos e ficava observando, parecia que contava as veias ou as pintas, ou talvez estivesse apenas fazendo uma preparação mental para aquela coisa quente que arregaçaria sua prexequinha, mas de fato ela revelou que era apaixonada pelo tamanho e formato do meu pau. Ela dizia que era pesado, bruto, intenso. Seja lá como for, eu apenas torcia para ela acabar logo com a admiração e começar a agir.

Ela segurou firme meu membro pela base com a mão direita enquanto com a esquerda segurava em minha coxa. Observei lentamente cada instante, desde que ela abriu aquela boquinha brilhante e abocanhava minha trosoba até a metade de uma vez. Assim que ela fez isso eu gemi forte e a elogiei. Ela, com minha pica na boca, olhou pra mim e deu um sorriso, fazendo o baguete pulsar em sua língua. Ali encostado na parede minhas pernas ameaçavam tremer enquanto eu recebia aquele boquete espetacular da mocinha. Eu segurava em seu cabelo e conduzia os movimentos enquanto ela me levava a uma outra dimensão do prazer indescritível.

Continue lendo este delicioso conto no site Contos Eróticos Aleatórios.

Gostou? Leia também alguns dos meus melhores contos eróticos abaixo:

Dando a Bunda Sobre o Freezer

Loli, Minha Estagiária

Boquete da Moreninha Novinha



Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Eu tinha 13 aninhos e todos me fuderam no colégio há 5 dias

Eu tinha 13 aninhos e todos me fuderam no colégio Eu estudava numa escola...
laureen Virgindade 341


Perdendo a virgindade com a titia delicia buceta m há 5 dias

Perdendo a virgindade com a titia Paul, 18 anos,vou contar como perdi a...
laureen Virgindade 106


o pai da minha amiga comeu minha bucetinha gostoso há 5 dias

Aos 19 anos, após entrar na faculdade, conheci Karen, minha amiga que já ...
laureen Heterosexual 223


EU E A FER,,,,NOSSA COPA SÓ COMEÇOU,,,NOVOS AMIGOS há 6 dias

EU E A FER,,,,NOSSA COPA SÓ COMEÇOU,,,NOVOS AMIGOS,,,COMEÇO DE UMA NOVA ...
bodiar Traição/Corno 92


dando a bucetinha no trem sexo tesão há 6 dias

somos um casal normal, tarados por sexo e exibicionismo, essa ocorreu em ...
laureen Fantasias 161


melzinho da bucetinha para meu queiro papai há 6 dias

Abri a porta do quarto que só estava encostada e ao adentrar vi meu pai n...
laureen Incesto 254