Sem Saída

02 de Julho de 2014 peristilo Contos Eróticos 2210

Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria


Só quando entrei no elevador e me virei foi que me dei conta de que era Maria a pessoa detrás de mim.
- Professor! ela gritou de alegria ao me ver.
Apenas esperei o pulo sobre meu pescoço e o abraço. Ela era uma jovem extremamente alegre e agitada, cheia de exageros teatrais. Fui laçado por seus braços com a força de quem sentiu uma enorme saudade. Apesar de não ser muito brilhante em sala de aula, coitada, era uma simpatia de moça! E tão gostosinha de se ficar olhando! Mais ainda nos vestidinhos curtos que frequentemente usava. Cheguei até a lhe presentear com notas que não merecia. Talvez por isso mesmo, por minha generosidade, é que me dava um abração toda vez que me encontrava por acaso em algum lugar. Jogava os peitões em cima de mim e me amarrotava todo. Me apertava tanto que me tirava o fôlego. E eu já nem tinha mais idade para aqueles abraços violentos que quase me desmontavam inteiro.
A Maria demonstrava uma verdadeira adoração por mim. Acontece que eu nunca lhe dera muitos motivos para tanta amizade. Era um encanto de moça, mas eu apreciava mais o respeito e a reputação de que gozava na faculdade como professor respeitável. Intimidades com alunas deslumbradas estava fora de questão, principalmente com alunas carinhosas e atraentes como aquela Maria. Eu a considerava um verdadeiro perigo.
A porta do elevador fechou. Ninguém mais havia entrado. Começamos a subir. Meu destino era a biblioteca no último andar do bloco. Pesquisava para um trabalho importante que deveria terminar antes das férias.
- Maria! Calma! eu lhe pedi, sorrindo sem jeito, soltando minha pasta no chão e tentando fazer com que largasse meu pescoço.
Ela me soltou e afastou-se um pouco para me olhar com um sorrisão bonito no rosto muito jovem. Que morena interessante! Mas um fruto proibido para um velho professor na minha situação.
- Ah! Professorzinho! O senhor voltou! falou entusiasmada, e me abraçou de novo, dessa vez apenas passando um braço em torno da minha cintura.
- Não, não se anime. Não estou de volta ainda.
- Ah! quando o senhor retorna? O que faz por aqui?
Eu ia lhe responder, falar da minha pesquisa, quando aconteceu o inesperado. As luzes piscaram e se apagaram. Ao mesmo tempo, o elevador deu um tranco e parou.
- Que foi isso? ouvi a voz da garota perguntar no escuro, assustada.
- Queda de energia...
- Mais outro apagão daqueles?
- Deus queira que não!
- Aposto que sim... estamos presos?
Estávamos. E não havia muito o que fazer. Era mantermos a calma até a energia ser reestabelecida.
Com o susto, Maria procurara minha mão e agora a apertava nervosamente.
- Fique calma, eu disse, mas eu mesmo me sentia apreensivo.
Quanto tempo poderíamos ficar encaixotados ali? Encontrar-se preso num elevador é uma experiência bastante desagradável. Sabe-se que mais cedo ou mais tarde a porta vai se abrir, mas mesmo assim a sensação é a de quem foi esquecido pelo resto do mundo. É quase como ser enterrado vivo. Só quem passou por tal terror sabe, e no escuro então... é horrível!
Alguns minutos depois ainda estávamos na mesma dificuldade, presos, sufocados pela escuridão, e já fazendo especulações pessimistas.
- Professor?
- Sim...
- É arriscado demorar horas... estou com medo!
Maria Naturalmente acabou me abraçando. Acolhi-a. E assim permanecemos, aguardando algum tipo de socorro ou a simples recuperação da força elétrica.
Aquelas circunstâncias ruins foram tomando um sentido mais agradável na minha mente perversa. Preso num elevador com uma mocinha vulnerável, assustada, e tudo isso num escuro de não se ver nada. E como ela cheirava bem! Assim tão próxima, seu calor irradiando pro meu corpo, o contato com a maciez dos seios... tive uma ereção.
- É apagão mesmo... está demorando, ela resmungou, ainda toda enroscada em mim, como uma gatinha assustada.
O perfume dos seus cabelos misturado a algum odor de suor subia quente e atiçava minhas narinas. Quanto mais eu sentia o cheiro de fêmea jovem, mais eu queria cheirá-la.
Ela se aninhou ainda mais no meu peito e choramingou algumas lamentações. A pretexto de consolá-la, beijei-lhe os cabelos, bem no centro de sua cabeça. Fiz isso uma , duas, três, várias vezes, já quase perdendo o auto-controle.
Quando me dei conta, era eu que passava os braços em volta de sua cintura. Puxava-a contra mim, fazendo o pé de sua barriga roçar no zíper da minha calça.
Quanto tempo já presos ali?
Uns dez minutos? Poderia ser uma espera de horas. Mas ao menos tinha o prazer de ficar apertando o corpo da menina sem precisar temer um escândalo.
Meu pênis endurecera em demasia. Começou a latejar. Uma tortura não poder lhe dar o alívio desejado!
Pensei no vestidinho que Maria estava usando, o qual eu não podia ver no momento, mas antes notara que era de malha preta, curtinho... Como era boa de bunda a minha ex-aluninha!
- Está demorando demais! ela voltou a reclamar.
- Paciência e calma, minha filha! Não podemos fazer muito. Só esperar.
- Eu consigo gritar bem alto... alguém pode vir ajudar.
Ela disse isso bem no instante em que eu descia a mão por suas costas e intencionava apalpar seu traseiro.
- Não grite! Não poderão fazer nada sem a energia.
- O senhor tem razão, ela concordou, encostando a cabeça no meu peito outra vez, dengosa.
Não resisti! Apertei-lhe uma das nádegas.
- Hum!!! professor?! ela gemeu assustada, mas era tarde demais.
Que gostosura de bunda! Foi só levantar um pouco o tecido do vestidinho sem-vergonha e ter acesso à fartura de carnes. Apalpei-a com fúria, quase rasgando a tirinha de tecido enfiada entre as nádegas. Fui empurrado por suas mãos, de leve. Ouvi um grunidinho que dizia “não, não”.
Procurei beijá-la. Ela sacudiu a cabeça de um lado pro outro.
- É só um beijo, minha filha! Deixa, deixa...
Encontrei uma frágil resistência de mãos contra meu peito. Talvez ela não gostasse de beijar coroas, tão novinha ainda! Mas apertei-a com força, dominando-a. Ela amoleceu quando acertei o alvo. Chupei seus lábios. Que saborosa boca! Arranquei-lhe uns beijos desajeitados e ela enfim cedeu. Me oferecia a língua, entregando-se toda, finalmente. Depois precisei ser rude apenas para vencer suas mãos e puxar a calcinha para baixo. Ela me pediu calma. Mas eu tinha uma urgência de tesão descontrolado. Suspendi o vestido, que ficou enrolado na cintura. Desabotoei-me e desci o zíper.
- Me dá umas chupadas antes! eu lhe pedi.
Ela não entendeu ou se fez de desentendida. Obriguei-a a se agachar forçando sua cabeça para baixo.
Então guiei sua cabeça com as duas mãos. Esfreguei o membro teso em seu rosto. Nem um pio ela deu! Tomou a iniciativa e eu só ouvi os estalinhos da língua, lambendo. Depois engoliu meu pau de boa vontade. Embora mal soubesse chupar, mordendo demais e me babando todo, possuía uma delícia de boca que não me fez gozar por pouco.
Após umas poucas mamadas, ordenei que parasse e ficasse de pé.
- Vou te chupar! avisei, e me ajoelhei apressado a sua frente.
Completamente cego do escuro, precisava tatear seu corpo para me guiar melhor. Segurei-a pelas polpas da bunda. Encaixei o queixo entre suas coxas e abocanhei uma buceta gorda e peluda, com pelos ásperos e cheirosos, cheiro morno de virilhas de menina. Como lambi aquela bucetinha ,fazendo força com a língua para abrir sua fenda e lamber mais fundo. Ela dava gemidinhos de tesão, e suas mãos puxavam meu cabelo com força.
- Ui! ui! Não! não! pára, professor! ui!
Uma buceta saborosa como eu nunca havia provado!
- Vira esse cu! eu pedi, fazendo-a girar e ficar com a bunda colada na minha cara.
O cuzinho estava meio fedido mas não me importei. Lambi toda aquela deliciosa rodela de pregas.
Depois de muito lamber seu cu e quase morrer de tesão com os gritinhos que ela soltava, fiquei de pé novamente, por trás dela ainda. Tateei entre suas coxas e encontrei a vulva. Conduzi o pênis para o local e, sem mais delongas, penetrei-a. Escorreguei até a fundo, ouvindo os gemidinhos:
- Hã! hã!
De tão molhada, achei que estivesse mijando em mim. Mas não era mijo, era só desejo vazando da vulva.
Ela se apoiou com as mãos na parede do elevador e se manteve firme contra os empurrões da minha virilha no seu traseiro. Não me contentei em não poder mergulhar mais e mais, senti-la inteira por dentro, devassar seu útero. No meio da violenta foda, ela começou a beliscar minha glande lá no fundo. Gemeu mais alto. Teve umas tremidinhas nas ancas. Senti que me apertava com a buceta mais do que o normal, como se quisesse me prender lá dentro. Retardei meu próprio orgasmo para permitir que ela gozasse o quanto pudesse.
Contudo não resisti por muito tempo. Meu membro oscilou sem controle, latejando forte. Urrei alto e cai sobre suas costas enquanto a segurava firme pelos peitos. Com a força jovem que possuía, sustentou meu peso até eu terminar. Cada jato que explodia no fundo da vagina era um tranco forte que eu dava nas suas costas. Depois quase desfaleci.
Quanto tempo se passara?
- Muito tempo, hein! Acha que alguém vem ajudar?
- Num sei, Professor, ouvi sua voz me responder um pouco tristinha, ou seria envergonhada?
Estávamos sentados no chão do elevador agora, recostados numa parede, exaustos.
Finalmente as luzes se acenderam. Pousemo-nos de pé rapidamente. Maria me sorriu desconcertada e ajeitou o vestidinho e a calcinha entre as nádegas. Vi o quanto nossas roupas estavam suadas e Maria descabelada, o rosto em brasa, vermelho de calor e talvez do vexame daquele momento. Mas não demorou para ela voltar a sorrir naturalmente.
Consertou apressada os cabelos com as mãos. Quando o elevador voltava a subir, ela ainda teve o cuidado de umedecer um dedo com saliva e passar em torno da minha boca, limpando o borrado do seu batom. Imaginem o escândalo se alguém desconfiasse do que tínhamos acabado de fazer naquele elevador!
A porta não demorou a abrir. Saímos aliviados.
Quando minhas férias chegaram ao fim e eu retornei à faculdade, lá estava Maria! E ao me ver de longe, correu sorrindo em minha direção. Ai! Meu Deus...lá íamos nós de novo!

Fim


Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Aleixo e seus amigos, festa há 5 horas

Depois que parei de pagar um boquete para um amigo de meu namorado Aleixo, ...
renata Grupal 31


Guardei meu cabacinho para o papai... há 11 horas

Meu nome é Rosana, Rô para os amigos. Estou agora com vinte e dois anos e...
donovanbr Incesto 184


desde os 13 anos MINHA BUCETINHA ARDIA DE TESÃO E há 14 horas

Desde muito jovem já adorava sexo e aprontava muito...... Depois da ...
laureen Virgindade 366


fui putinha de papai qdo engravidei de titio há 14 horas

grávida de titio e putinha de papai ..... Depois que transei com titio,...
laureen Incesto 197


DE VOLTA À PIZZARIA - Parte 13 há 15 horas

DE VOLTA À PIZZARIA CAPÍTULO 13 ATENÇÃO ESSE É O DÉCIMO TERC...
carlaomg Traição/Corno 55


Aposta com amigos de Aleixo há 17 horas

Depois de tirar a virgindade da minha priminha, Aleixo passou a nos pegar q...
renata Grupal 118