Apenas uma Fã - Parte 6

10 de Março de 2014 musiknonstop Contos Eróticos 1121

Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria




Na
manhã seguinte...É chegado o grande dia! O do último show da turnê de J. E
assim último compromisso de M. na viagem! Sabia que teria de voltar ao Brasil!
Seria inevitável!



Ela acorda cedo! Espreguiça-se gostoso na
espaçosa cama! Sentia em cada pedacinho de seu corpo a presença dos toques de
J. Sentia o calor de suas mãos, que tanto lhe deram prazer! Seu perfume delicioso ainda se fazia presente
e se confundia ao seu! Era como se os lábios dele, ontem tão ávidos e fogosos,
ainda estivessem colados aos seus. Ele ainda dormia tranquilo e tão gostoso!
Suas feições eram muito leves, transmitiam um ar de satisfação e felicidade! Fica
admirando-o dormir. Toca sutilmente seu delicado rosto, sentindo o deslizar de
suas mãos em sua pele macia! Não queria acordá-lo, mas não se contém, pensando
alto, em um impulso, diz baixinho: “Você não pode imaginar o quanto ajudou a me
trazer aqui para fora! Eu serei eternamente grata!”.



Levanta-se da cama, toma um banho gostoso,
troca de roupa, refaz a maquiagem, se perfuma e desce rumo à cozinha. Sem
cerimônias e muito decidida, pensa em preparar uma bela mesa de café da manhã,
pois hoje seria o dia do show! Ele tinha de se alimentar bem! Como a dispensa
estava vazia, resolve dar uma pesquisada na internet para ver se encontrava
alguma padaria próxima para fazer umas comprinhas. Encontra uma, bem pertinho, em
estilo francês, com uma grande variedade de pães, frios e doces! Na volta, passa
em um mercadinho próximo e compra umas frutas fresquinhas. Resolve levar também
alguns legumes, macarrão e alguns temperos, pois, decidiu fazer uma comida leve
para mais tarde, queria muito agradecer a J. e seus companheiros de banda. No
caminho de volta, foi pensando em cada detalhe dos menus!! Quando ia chegando à
casa dele, seu celular toca. Ela, cheia de sacolas e esbaforida atende:



“Alô!”
– com o celular quase caindo.



  “Oi
querida!! Que saudades!!”



  “Oi mãe!! Muitas saudades também!!
Aconteceu alguma coisa para ligar no celular??” – diz ela tentando equilibrar
as sacolas. 



“Nada
demais. Saudades mesmo!! Mas também já é a terceira vez que seu chefe liga!!
Queria saber quando você volta. Me pareceu muito ansioso! Disse que você não responde
aos emails dele! Está tudo bem ai? Também eu e seu pai achamos que está
esticando demais essa viagem! Não se esqueça que você tem compromissos
senhorita!”



“Pode
deixar, não vou me esquecer! É que sou sempre tão certinha... Estava precisando
muito dessas férias e me esquecer um pouco do trabalho! O pessoal aqui é muito
legal, vocês iriam gostar! O vocalista da banda tem sido muito atencioso
comigo! Não imagina a emoção que estou sentindo de conhecer alguém que admiro
tanto!”



“Que
bom que está curtindo!”



“A única coisa de chato, é que um dia antes do
show, aqui de Oxford, ele ficou doente: febre alta e dor na coluna! A casa deles
é uma zona e seus colegas, mesmo sendo legais, fazem a maior balburdia. Você
pode imaginar... Não tinha como descansar lá! Então convidei-o para ficar comigo
no hotel!”



“No
hotel?? Como assim? Querida, você sabe que nunca fui de ficar tomando conta de seus
relacionamentos, sempre achei você tão ajuizada, confesso que até mais do que
eu quando tinha a sua idade! Mas, você mal conhece esse garoto, não estou te
reconhecendo! Bem que a Marcela me disse!”



“Ah,
então foi a Marcela! Não era só por causa do meu chefe! O que ela te contou?” – diz colocando, visivelmente
irritada, as sacolas ao chão.



“Nada
demais! Mas ela é sua amiga, não é?? Ligou preocupada com você. Está
acontecendo mais alguma coisa que não quer me contar? Pode falar, eu prometo
que vou tentar compreender!”



“Não
mãe, não está acontecendo nada!! Ela está assim porque é uma ‘sem noção’ e que
acha que sabe tudo da vida e que eu não sei! Falei umas verdades a ela, que há
muito precisava ouvir! E ficou assim! Não se preocupe! Estou muito bem. A
viagem está sendo maravilhosa. A única coisa é que o vocalista está passando
por uma fase não muito boa e já que ele foi tão legal comigo, estou dando
apoio, só isso!! Conversamos muito. Acredita que até sobre a mãe dele! Acho que
você iria gostar de conhecê-la.“



“Ah,
se é só isso, fico mais tranqüila e contente de saber que esteja ajudando alguém
que precisa! Mas tinha que ser nas suas férias?! Só a minha Lú mesmo! Mesmo
assim, tenha juízo, você mal conhece esses garotos. E sobre a Marcela, nem vou
comentar...em briguinha de amigas, não palpito! Quando você volta? Seu chefe
perguntou.”



“Minhas
férias ainda não acabaram! Ele que espere! O último show é hoje. Era para ter
sido há dois dias, mas com a dor nas costas do J., eles adiaram! Meu vôo foi remarcado para amanhã a noite, único
horário que consegui. Mãe, a ligação está ficando cara e preciso ir. Mas mais
uma vez: NÃO SE PREOCUPE!! Estou ótima! Manda muitos beijos para o papai e para
a vovó!”



“Muitos
para você também querida! Te amo! E volta logo! Estamos com muitas saudades!”



Ela,
preocupada em ter demorado, pega as compras, deixa-as na cozinha e sobe até o
quarto! Por sorte, ele ainda dormia! Volta à cozinha e começa a preparar o
brunch, bem caprichado, como gostam os ingleses! Trouxe algumas variedades de
pães e frios e acabou não resistindo, pegou uma torta cheesecake com cobertura de
frutas vermelhas, doce favorito de J. Na padaria olhou o cardápio que deu-lhe
algumas idéias do que fazer! Comprou uns muffins, presunto royale, molho
holandês e fez uma adaptação mais leve de Ovos Benedict! Com as frutas: maçãs,
pêras, framboesas, amoras juntou a suco e raspas de limão, uma calda de açúcar
com folhinhas de manjericão e fez uma bela salada de frutas! E por fim, para
beber, suco de toranja com raspas de gengibre e leite com chá preto! Lava a
louça, arruma uma bela mesa, pega um galhinho de framboesa – raridade - e sobe
até o quarto. Ele ainda estava dormindo! Aproxima-se da cama. E com o ramo de
framboesas em mãos leva-as à boca de J., deslizando-as em seus delicados lábios.
Ele, sentindo o toque macio e a doçura da fruta, acorda. Abocanha uma! Sorrindo,
espreguiça-se gostoso, esticando suas mãos pedindo as dela, que prontamente sentando-se
junto à ele. 



“Good
morning my Lord! Para começar o seu dia mais doce!” - dando-lhe um breve e doce
beijo na boca.



“Good Morning my sweet! Obrigado!
Não
sabia que tínhamos frutas em casa!”



“E
não tinham! Desculpe-me, se mais uma vez me precipitei Fui até a cozinha e vi
que não tinham muita coisa! Hoje é o dia do show! Você tem que se alimentar
bem! Resolvi fazer umas comprinhas, e dessa vez, eu quem preparou o café da
manhã!”



“Olha
só! Sempre me surpreendendo! Muito obrigado! Mas, não precisava se incomodar
com isso! Poderíamos ir comer fora numa boa.”



“Ah,
foi um prazer poder preparar o café! Também. meu vôo foi marcado para amanhã à
noite! Terei de voltar! Minhas férias estão terminando e meu chefe está
cobrando minha volta!”



“Ah
que pena! Achei que ainda ficaria mais uns dias. Queria tanto te levar para
conhecer a cidade! Se não fosse aquela minha dor fora de hora...!”



“Tudo
bem! Quem sabe nas minhas próximas férias! Ah, queria muito agradecer à você e
seus companheiros de banda, comprei algumas coisinhas e pensei em fazer uma
comidinha leve para antes do show. Você se importaria?”



“Fica
combinado nas suas próximas férias faremos um tour por Oxford! Irá conhecer
cada cantinho da cidade, até os mais inóspitos!! Ainda foi se preocupar com
isso! Se já comprou, eu aceito! Eu posso ajudar!”



“Não
precisa! Hoje se preocupe só com o show! Vamos descer? O café está esfriando!”



“Café?
Que café? Que tal deixar para depois?” – diz ele impedindo-a de sair da cama.



“É
sério!! Preparei com tanto carinho! Depois você diz que sou eu que só penso
nisso!” – diz ela fazendo charme e escapando de seus braços.



“Está
bem! Vamos lá! Só espero que esteja tão bom quando ficarmos aqui!”



“Ah
é assim? Está duvidando de meus dotes?! Vou te deixar só na vontade! Só vai
poder ver, e não vai poder comer!”



Ele
levanta! Passa no banheiro. Joga uma água no rosto e seguem para a cozinha.



“Quanta
maldade! Falei brincando. Nossa!! Retiro o que disse!! Que bela mesa! De comer
com os olhos! Você preparou tudo isso?”



“Quase tudo. Mas também nem é tanta coisa.
A torta cheesecake, que sei que gosta, comprei pronta. Pareceu-me deliciosa!”



“Hummmm!
Parece mesmo.”



“Bom,
aqui uma adaptação mais light de ovos benedict, não sei se conhece; uma salada
de frutas com calda de açúcar e manjericão; suco de toranja com raspas de
gengibre, não conhecia essa fruta, no mercado me disseram ser saborosa e eu
amei a cor!!”



“A
julgar pelo aroma e exuberância deve estar tudo delicioso! Mas, será que posso
confiar em você?? Sendo meio maluquinha, como vou saber se não colocou algum
tipo de feitiço...aposto que um daqueles poderosos para me prender à você!?
Sabia que o manjericão para os antigos era símbolo do amor eterno? Os rapazes
costumavam presentear com ramos, suas amadas, em sinal de amor e dedicação.”



“Ahahaha!!
Feitiço, eu? Ai...ai...Bem que eu gostaria de ter você para sempre comigo! Mas,
pode ter certeza que não conseguiria ficar com uma pessoa sabendo que não é da
vontade dela. Nem mesmo você, my Lord!! Olha só, culto você heim!! Não sabia
dessa. Eu vi a salada no cardápio da Croissanterie, me pareceu ser muito
gostosa, e por sorte, consegui todos os ingredientes.”



Quando
ele ia se servir, ela o interrompe e diz:



“Eu
não disse que você só poderia olhar?! Quem mandou duvidar de mim! Vou comer
tudo sozinha e você vai ficar ai só me só olhando. – diz ela dando um tapa de
leve na mão do rapaz.



“Geniosa
você hein!! Ah, então é assim! Devolve meu ingresso! Vou dar para a primeira
garota que vir por aí! E você vai escutar o show do meio da rua! Ouviu bem?!
Escutar apenas! Nada de ver minha belíssima performance!”



“Ahahahaha!!
Você também não fica por menos!! E ainda por cima é convencido! Vai, come logo
antes que esfrie. Nem para implorar um pouquinho. Turrão!” 



“Implorar?
Eu? Só se eu estivesse louco!” – diz ele com feições mais brutas e em um tom
muito sério.



Ela, um tanto envergonhada, diante do tom nada
ameno de J., não sabe muito o que
responder e resolve encerrar ali com a brincadeira. Enquanto ele, dessa vez,
comia degustando com muita vontade e prazer o brunch. Fica pensando no que
estava acontecendo! Nunca foi uma garota mandona, muito menos de tentar impor
suas vontades aos rapazes! Mas algo estava mudando. Ele a incentivara ser
independente e fazer o que tivesse vontade! Ela, pela primeira vez, sentiu que
poderia ser uma pessoa dominadora! Mas, J. sendo de gênio forte, dificilmente
se deixaria ser dominado!! 



“Desculpe-me
se pareci grosseiro em meu comentário. Não foi minha intenção! Acho que nunca
encontrei alguém que me desafiasse dessa maneira! Tenho que admitir que você é decidida
e corajosa o bastante para uma garota tímida!”



“Eu é que tenho que pedir desculpas! Não
sei o que deu em mim para falar daquela maneira! Tenha certeza de que não
costumo agir assim! Apesar de já ter vivido outros relacionamentos mais sérios,
é tudo tão novo e tão intenso! Acho que é bem como diz Simone de Beauvir: ‘Ninguém
nasce mulher, torna-se!’. Estou aprendendo com você! Às vezes posso errar!“ 



“Quem me dera ser um professor desses! ‘Querer-se
livre é também querer livres os outros’, Simone de Beauvoir também! Você apenas
se deu conta de que é livre e pode voar!! E se quiser voar mais vezes na minha
cozinha, bem que eu vou aceitar!! Estava tudo delicioso! O gengibre deu um
toque especial ao suco de toranja, além de ser excelente para as cordas vocais!
Obrigado!” – diz ele mais uma vez tentando amenizar as palavras sempre tão
sérias de M.!



“Ahahaha,
obrigada! Mas livre porque alguém libertou minhas asinhas!! Não vai conseguir
escapar dessa!!”



“Ok!
Ok! Não discuto com pessoas geniosas e maluquinhas! Tem certeza que sente algo
por mim?? Como pode?! Você mal me conhece! Viu que não sou nenhum príncipe
encantado. Não sou rico e muito menos bem sucedido! E ainda assim pensa em mim?“



“Essa
foi boa! Mas, olha só o que pensa de mim! Não sou dessas viu! Fique sabendo que
nunca esperei por um príncipe encantado! A não ser Jareth! Ai... ai..Tive minha
fase Bowie maníaca! Enfim, eu trabalho sabia? Sou jornalista! Ganho
suficientemente bem, não preciso de ninguém que me sustente!!”



“Ah
sim, esqueci que estou diante de uma senhorita independente!” 



“Falo
sério! Sinto algo muito especial por você e não vai pensar besteiras! Isso eu
também sinto, e não tenho a menor vergonha de te confessar! Por tudo que já
disse! Enfim...”



“Mas...”



“Deixe-me
terminar!!! Sou fã de música, desde muito criança, nunca vou esquecer o
primeiro radinho de pilha que ganhei! Era época de rádio, do vinil e do cassete!!
Ai...ai...bons tempos! Enfim, o que queria dizer é que quando escuto Radiohead,
essa de miscelânea de sons, agora o que me saltam aos meus ouvidos são as
guitarras baixinhas ao fundo!!! Você e sua música fizeram isso! Ter uma
percepção muito mais aguçada de minhas paixões! Em meio a um emaranhado de
sentimentos novos e complexos, eu só vejo você como saída! Você está além da
minha compreensão simples!!”



  “Radiohead
é fascinante mesmo! Belo exemplo! Você é uma garota muito especial. Se não
fosse o momento, minha carreira capenga, meus problemas...”



“Não
precisa dizer mais nada! Fui inconveniente mais uma vez! Eu sei...hoje é um dia
importante para você! Não quero atrapalhar! Venha! Beije-me como ontem!



Ele
assim obedece! Segue em sua direção com passos firmes e olhares intensos. Pára
diante dela, que ainda estava sentada, ajeita caída uma mexa de cabelo, levanta
levemente seu rosto segurando delicadamente seu queixo! Fica um tempo assim, admirando-a!
Olha profundamente em seus olhos e com o
corpo arqueado ao dela, segurando seu ombro e beija-a deliciosamente com sabor de
fruta! Um beijo doce e carinhoso! Com a outra mão, segurando a dela, puxa-a
junto a seu corpo e diz com rosto colado ao seu:



“Venha
comigo!”



“Mas
eu preciso arrumar aqui...”



“Deixa
para depois. Vem comigo!!”



Com
feições doces, mas muito safadas, ele parecendo criança prestes a fazer arte, leva-a
para sala. Sentam-se no sofá. Continua a beijá-la, segurando delicado seu belo
rosto! Pára, olha novamente em seus olhos. Esses, agora, ávidos, tentando
prever qual seria o próximo passo. Ele, em um ato inesperado, recosta-se
ajeitando satisfeito seus pensamentos ao colo de M. Suspira gostoso. E assim
fica! Ela por sua vez muito admirada, acalenta-o fazendo cafunés em seus macios
cabelos!



“I will never disappear. For
forever, I'll be here. I’ll be here. Whispering... Descanse little child!”



Agora, ele desarmado, tornara-se
criança outra vez e nos braços de M. sentia-se protegido! Sem obrigações e nem
cobranças! De olhos fechados apenas queria curtir aquele tão prazeroso
acalento! Ela, por sua vez, desliza sua mão com movimentos suaves em seu belo
rosto. Sentindo o tocar de sua mão em seus delicados lábios. Ele sente seu
delicioso aroma de rosas. Entrelaça sua mão à dela segurando forte.



“Take me home before the storm. My
sweet girl.” – responde J. baixinho quase pegando no sono!



Assim
ele adormece. Ela retribuía ainda acariciando seus cabelos! Naquela manhã um
tanto fria, o calor do corpo de J. a aquecia! Sentia uma paz tão grande
misturada à uma excitação descomedida. Fica um tempo admirando-o dormir.
Levanta com muito cuidado, recostando-o em uma almofada. Sobe, pega uma
coberta. Dá um breve beijo no rosto de seu amado e segue para a cozinha. Pega
seu cel e liga para o guitarrista:



“Hi.
Good afternoon!”



“Hi
M.! Tudo bem por ai? Não me diga que é mais um problema?! Não iria agüentar!”



“Hahaha!
Não. Está tudo ótimo por aqui. É que eu queria muito agradecer a hospitalidade
de vocês. Pensei em fazer uma comidinha antes do show, que acha? Já falei com
J. Ele aceitou!”



“Hummm.
Não precisava se incomodar! Você tem ajudado tanto com ele nesses últimos shows!
Nós é que temos que agradecer! Mas, já que ele aceitou! Aceito por todos! Pode
ser umas 16h30? O O2 abre às 19h! Temos que chegar um pouco antes!”



“Claro.
Foi bom ter me lembrado! Aguardo
vocês! See you!”



“See
you soon M.!!”



Separa
todos os ingredientes. Pega um avental
em um canto da cozinha, e começa a preparar a comida. Não conhecia muito o gosto
deles, mas pelo que já tinha ouvido falar era bem variado e um tanto exótico!
Resolve preparar um prato simples, nutritivo e original! Um macarrão japonês,
feito de arroz, chamado bifun, acompanhado de legumes, carne de porco, um toque
de curry e muita pimenta! Pega seu Ipad e liga um som. Deixa tocando algumas músicas
da dupla sueca The Knife e na sequência, trabalho solo, Ferver Ray, da
vocalista. Refoga a carne. Lava, descasca e corta fininho os legumes.
Acrescenta-os a carne. Deixa cozinhar. Joga os temperos, um tanto receosa de
perder a mão! Mas, a vontade de agradar falava mais alto e assim decidida
capricha na quantidade!! Ele acorda enfeitiçado pelo aroma que vinha da
cozinha! No som agora tocava Fever Ray com ‘Keep The Streets Empty For Me’. Ela
de costas à porta, muito descontraída cozinhava, dançando gostoso ao som da
belíssima música!  Não percebe que J.
havia acordado e estava à porta a admira-lá. Quando, sem querer, ele esbarra em
uma vassoura fazendo muito barulho! Assustando M., que surpresa e tímida com a
situação diz:



“Good
Afternoon my Lord! Não quis acordá-lo, resolvi começar a preparar a comida
mesmo sem você. Espero que não se importe”



“Sem
problemas my sweet! Continue estava tão bom vê-la assim tão alegre e
desinibida! Adoro essa banda, deve ter notado pela minha resposta de antes!
Sabia que ouvimos muito para compor nosso primeiro álbum! E essa música, em
específico, ficou ainda mais bela com seus passos de dança! Precisa de alguma
ajuda?”



“Obrigada!
Nossa!! É mesmo! Coincidência, eu adoro esse som. Se quiser arrumar a mesa eu
agradeço. Estou quase terminando. Ai...Ai...espero que esteja bom! Não sou
muito confiante com temperos. Seus colegas devem estar chegando! Você estava
dormindo tão gostoso, não quis acordá-lo, então liguei para eles e os
convidei!”



“Pelo
delicioso aroma aposto que estará bom!!! Obrigado por chamá-los! ”



Ele
arruma a mesa enquanto ela termina de cozinhar! Assim que terminam, escutam um
burburinho. Ele tira, às pressas, o avental de M.



“Hummm!!
Dá para sentir o cheiro da comida da rua!! E ai J. aproveitaram bem a noite?” –
resmunga o batera.



“Isso
é pergunta que se faça?! Sem noção! Acha mesmo que vou te responder!?” – diz J.
muito bravo, mas tentando não demonstrar.



“Nossa!!
Que é isso J.!? Não sabe mais brincar? Quanta educação, onde já se viu!” –
retruca o batera.



“Eita,
calma lá vocês dois!” – diz o guitarrista



“Eu
respondo por nós! Posso J.?” – diz M. muito decidida, mas com voz muito delicada!



“Se
quiser perder seu tempo! Não me importo! Mas lembre-se de que não devemos
satisfação alguma a ninguém! A não ser a nós mesmos!” – queixa-se J.



“Eu
sei! Bem, hoje é meu último dia em Oxford. Amanhã estarei voltando ao Brasil!
Pode deixar que não alugarei mais o amigo de vocês!! Ele será outra vez todinho
de vocês! Mas, pelas demonstrações que tive esses dias, você definitivamente
não faz o tipo dele!” 



“Sai
fora! Nada contra, mas, eu tenho namorada sabia?!” – diz o batera visivelmente
irritado.



“Nossa
sério? Não parece! Enfim! Hoje é um dia importante para perdermos tempo discutindo
besteiras! Vamos comer antes que esfrie” – afiada retruca M.



Eles
se sentam à mesa e logo o baterista, ao lado de J., diz baixinho:



“Não
sabia que você agora andava com segurança!”



“E
eu não sabia que você bebia logo cedo! Cuide de sua vida que eu cuido da minha!
Hoje é um dia importante como bem disse M. Deixa de picuinhas bro! Estou me
esforçando ao máximo para fazer o mesmo!” - diz J. em um tom mais ameno.



Assim
encerra com a discussão sem cabimento e fora de hora! Todos já sentados à mesa.
A música que estava tocando acaba, e M. pergunta a J.:



“Posso
colocar outro som?”



“Deixe
que eu faço isso! Sei de uma banda prefeita para uma boa refeição! Aposto que
irá gostar!!  – diz ele



Ele
levanta-se. Segue para uma estante com vários CDs, pega um e liga. Volta à mesa.



“Ah
nãooooo! De novo Travis! Só você curte essa banda pop para garotas! – Reclamam
seus companheiros.



“Eu
adoro! E acho nada a ver dizer que é banda para garotas! Só porque eles são
interessantes? E digo mais tem muita música pop boa! Aprovado! – diz M.



“Ele
gosta nada! É só para dizer que curte alguma banda da terra dele!“ - diz o
guitarrista



“Que
é isso! Os caras são bons! Já os vi ao vivo algumas vezes!! O album novo está
lindo! Vocês é que são um bando de invejosos! Só porque não tem o corpinho
bonito de nós, galeses!”



“Ahahahah!
Essa foi boa! Bonito? Só porque está acompanhado está se achando! – diz o
batera!



“A
educação passou longe de vocês hoje!! Imagino o que a M. deva estar pensando de
nós! Desculpe meus colegas que não tem um pingo de educação diante de uma bela
moça!!” – diz o guitarrista jogando charme.



“É!
Desculpe-me mais uma vez M.! Somos muito amigos, raramente brigamos, mas acho que
muitas viagens seguidas, a convivência diária junto às adversidades de uma
turnê, acabam deixando a gente assim!! Nós dois nos excedemos. Desculpe Bro!
Acho que preciso de umas férias!” – diz ele sincero em suas palavras, mas
fulminando o guitarrista com olhares sérios pelo charme jogado a M.



“Desculpas
aceitas! Eu também me excedi! Concordo com tudo que disse! Acho também que não
estou acostumado com uma pessoa de fora junto com a gente em turnê! Ainda mais
uma garota! Sorry bro!! - diz ele
abraçando forte J.



“Desculpas
aceitas também!” – diz J. ao ouvido do amigo e retribuindo de forma muito carinhosa
ao abraço!



“E
você M., aceite meus sinceros pedidos de desculpas! Você é uma garota legal!
Muito bom poder conhecer uma fã de nosso trabalho e de tão longe! E que minha
namorada não escute: você cozinha muito bem! Ela mal sabe fritar um ovo!”



“Ah
de boa! Já percebi como vocês garotos são muito educados entre si! Enfim... Vai
entender!” – diz M.



O
comentário mais sério do guitarrista, os pedidos de desculpas mútuos e sinceros
parecem amenizar os ânimos! Assim que terminam de comer todos agradecem o
jantar. Seus colegas sobem para se arrumar e J. fala:



“Thank you so much for the dinner.
Estava
tudo delicioso! Eu amo curry! Acertou exato na medida!! E a carne estava muito
macia! Gostaria de saber seu truque! Bom, vou me arrumar para o show. Se quiser
esperar a gente aqui?” – fala com olhares muito carinhosos e tocando de leva nas
mãos de M.



  “Nossa obrigada! Estava com tanto receio
de não acertar nos temperos! Quanto à carne, não fiz nada demais! Apenas usei
um temperinho a mais, que faz toda a diferença!: AMOR – sussurra em seu ouvido.
– Acho que vou dar uma passadinha antes no hotel para trocar de roupa e encontro
vocês lá!



“Tive
uma idéia melhor: que tal esperar a gente? Deixo-os no O2 e depois te levo no
hotel! É bem pertinho.”



  “Mas ainda tenho que me arrumar!
Não vai te atrapalhar?”



“Você
e essas suas perguntas descabidas! Eu ofereci, não ofereci? É pertinho! Fico te
esperando! Enquanto isso vou dando uma relaxada para o show, até que vai ser
bom! Já ensaiamos muito e tenho que confessar que por estarmos em casa me sinto
mais confiante! Já volto.”



“Se
é assim. Tudo bem!”



Ele
sobe, separa a roupa do show e segue para o banho. Tira sua roupa, liga o
chuveiro com água morna, entra. Recosta as mãos à parede, baixa sua cabeça e
deixa a água cair lentamente em sua nuca e corpo. Apesar das desculpas, e do
final feliz das discussões, ele ainda sentia tensão em seu corpo. Aquele
momento, só dele, aliviava-o deixando seu corpo mais leve! E também fazia-o
lembrar-se dos momentos de tanto prazer que tivera com M. Sentia o delicioso aroma
de sua pele, o toque delicado, mas intenso, de suas mãos e via seu tímido
sorriso, quando ajeitava caída uma mecha de cabelo ao rosto! Algo estava
mudando em suas atitudes, há tempos não pensava tanto em uma garota. - Essa
maluquinha, em cada detalhe, sabe fazer-se presente. – Pensa ele sorrindo
deliciosamente ao lembrar-se do rosto de sua sweet girl! Terminado o banho, desliga
o chuveiro. Seca vagarosamente cada pedacinho de seu corpo nu.



Segue,
com a toalha enrolada ao corpo, para seu quarto. Veste sua calça jeans cinza
escuro; camisa vermelha, também jeans e seus inseparáveis coturnos. Um perfume agradável.
E os cabelos, que costuma arrumar displicentemente, hoje ajeita-os mais
comportados! Pega sua guitarra e outras coisinhas e segue para a sala. Seus
companheiros de banda e M. o esperavam ansiosos. Quando eis que ele surge,
fazendo M., que conversava animada, perder a fala. Ela, atônita com a beleza e
elegância do rapaz, fica a admirá-lo. Mas, seus devaneios são interrompidos
pelas reclamações gerais de seus colegas!:



“Jurei
que não iria mais reclamar! Mas como demorou!! Achei que tinha se fundido e
diluído junto com a água!!” – diz o batera



“Há
Há Ha! Engraçado! Vamos! Vou levar vocês ao O2 e depois M. até o hotel, ela
precisa trocar de roupa. Ainda temos tempo, não irei demorar.” – fala J.



Eles
checam tudo para ver se não esqueceram nada, guardam tudo no carro, e seguem.
Ele deixa os colegas no O2 e segue rumo ao hotel. Chegando ao quarto, ela não
se contém e diz:



“Tive
vergonha de dizer na frente de seus colegas, mas agora que estamos sozinhos,
posso falar: Oh my...you are my swett dream!! Está muito gato! Ai...ai...assim
vai me fazer sentir ciúmes dos olhares femininos na platéia!”



“Ahahaha!
Obrigado! Prometo que essa noite não terei olhos para outra, que não seja minha
guitarra!” – diz brincando.



“Ah
seu bobo! Gosta mais dela do que de minha companhia!” – reclama fazendo charme
e batendo de leve a mão no peito do rapaz.



“Sabe
que falei de brincadeira! Só terei olhos para você, my sweet!”



“Assim
espero! Vou tomar banho e me arrumar! Tentarei ser breve! Não quero te
atrasar!”



“Não
se preocupe! Temos um bom tempo ainda!”



Ela,
segue para seu banho, enquanto ele fica esperando sentado em um sofá pensando
na sequência das músicas, nos arranjos e na música nova que pretende tocar
especialmente para M. Ela tenta não se demorar. Toma um banho rápido. E
enrolada na toalha segue para o quarto. Ele, ouvindo o barulho da porta, fica
olhando. Ela passa apressada e diz:



“Fique
ai quietinho! E olhe para o outro lado! Até eu disser que pode se virar! Ouviu
bem?”



“Não sou surdo! Ouvi! Não sei para quê! Não
tem nada que já não tenha visto!” – diz ele virando-se para a porta do
banheiro.



“Eu
sei, mas tenho vergonha! Ah vai...não discute, não quero me demorar!”



“Tá
bom!” – diz ele fingindo não olhar.



Ela
senta-se à cama, de costas para ele, pega seu creme e começa a passar em todo o
seu corpo. Ele, sentindo um suave aroma de rosas, não resiste, vira-se e fica
admirando-a por entre uma pilastra que separa os ambientes. Ela passa sua mão
delicadamente em uma das pernas, espalhando o creme, depois na outra sentindo-as
hidratadas e perfumadas, seguindo para suas mãos e braços vagarosamente,
passando em seus seios tocando-os de leve e chegando por fim em seu colo e
pescoço. Quando então sente que estava sendo admirada.



“Eu
disse para não olhar! Seu insaciável chato! Não vou conseguir me arrumar assim.
E você vai se atrasar!”



“Tá bom! Prometo não olhar mais!! Confesso que
não resisti! Fui guiado pelo seu delicioso perfume! Você fica ainda mais bonita
distraída!” – diz ele contrariado, virando-se de costas.



Ela
levanta-se, segue até o armário, pega seu vestido azul marinho: cinturado,
acima do joelho, mangas compridas, com um certo decote que deixava seu colo à
mostra. Veste um sutiã rendado, alguns tons mais claros que o vestido, de alça
fininha e calcinha combinando no mesmo tom e estilo. Coloca o vestido e uma
meia calça preta. Fazia frio naquela noite. Os cabelos prende-os com sua fivela
em tom de cobre, aquela que usou no jantar em Bristol, deixando boa parte deles
soltos. Em seu colo uma corrente, muito fofa em tom de ouro velho, com um
delicado pingente em formato de cartão postal com os dizeres: I Love you!. presos
por um pássaro e uma flor em tom de verde. Um anel que combinava com a corrente,
e junto uma rosa em mesmo tom da flor do pingente. Seus coturnos novos em tom
de verde. E por fim, uma echarpe bem colorida, enrolada ao pescoço, em tons de
verde, vermelho, laranja, rosa e marrom. Pronta! Pega sua bolsa, olha-se no
espelho e passa um batom suave cor de boca. Segue até ele e diz:



“Agora
pode olhar à vontade!”



“Linda
como sempre! Mas preferia admirar-te antes, desnuda. Podemos ir?”



“Safado...!
Podemos sim”.



  Seguem rumo ao O2. Chegam rápido! Quando
descem da van, logo são notados. De um lado, por olhares fulminantes vindo das
garotas a porta e do outro por olhares curiosos de alguns garotos! Antes de
entrar ele fica conversando com alguns fãs e amigos. E aproveita para distribuir
alguns autógrafos. Ela, um tanto tímida, se afasta do burburinho. Ele termina
de falar com o pessoal, segue em sua direção, olha em seus olhos, decidido
segura sua mão, e entram no bar.



“Porque
se afastou? Não precisa se intimidar! Está comigo e entrará comigo!”



“Não
quis atrapalhar a conversa com seus fãs! Esquece-se que também sou uma fã. Sei
o quanto esse contato é importante! Muitos irão guardar esse momento para
sempre em sua memória! E um dia, talvez, contar a seus filhos que puderam
trocar uma idéia com você antes de um show!”



“Nossa
é mesmo! Jamais esquecerei o dia em encontrei James Dean
Bradfield e Sean Moore, andando na rua. A única coisa que consegui foi pedir
para autografarem um EP, que por sorte eu tinha comigo na minha bolsa, e mais
nada! Travei! Acho que porque cresci ouvindo muito Manic Street Preachers, e é
uma das minhas bandas favoritas. Quando era adolescente sonhava em tocar como
eles! Na verdade...”



“Nossa
imagino a emoção que sentiu! Acho que eu nem conseguiria pedir os autógrafos!
Olha só, também sou muito fã deles! Banda muito boa!”



“Bom,
está quase na hora, tenho que ir para o camarim! Mas, gostaria muito que fosse
comigo, e ficasse conosco até o início do show! Assim que começar pode ir para
a platéia se quiser, acho que não vai lotar, ainda assim conseguirá um bom
lugar!”



Ela,
um tanto hesitante, acaba aceitando e segue com ele para o camarim! Seus
colegas o esperavam um tanto impacientes. Mas não se importam muito com a
presença de M., que senta-se em um sofá e fica apenas observando. Eles terminam
os últimos acertos.



“Então
faremos como foi combinado no último show! Desta vez dará tudo certo! Tenho
certeza de que todos irão gostar.” – diz J. falando em códigos para M. não entender.



“Também
sinto que sim!! É hoje!!” – diz o baterista.



É
chegado o grande momento. As luzes se apagam. O show é anunciado. O primeiro a
subir ao palco é o tecladista, seguido do baterista e do guitarrista. Ele olha
um tanto nervoso, mas muito sexy para M. Ela, hesitante se levanta, pensa em
chegar mais próximo, quando é surpreendia por ele que em um impulso toma a
iniciativa, seguindo em sua direção. Pára à frente dela e fica admirando-a. Olha
seu delicado pingente e sorri! Ela, por sua vez, arruma a gola de sua camisa e
em um ato inesperado beija-lhe docemente a boca e diz:



“Merde.”



“Thanks!! You are accelerating
my reason… Eu preciso e quero ir! Mas gostaria muito de ficar!”–
diz sussurrando ao ouvido de M.



Assim
ele respira profundamente estufando o peito e com cabeça erguida entra no
palco. Ela, ansiosa, ouvindo o primeiro acorde da guitarra e o primeiro cantar
da voz de seu amado, não se contém e resolve ir para a pista. Consegue um bom lugar,
bem na frente, para que pudesse ser vista por ele! No palco, o sério, tímido e inseguro
garoto se transforma! Frente ao microfone, com sua guitarra em mãos despe-se de
sua timidez ganhando confiança, desenvoltura e muito charme! Suas ágeis mãos
agora deslizam precisas nas cordas e braços de seu inseparável instrumento! Ao simples
toque sente os acordes e o ritmo tomarem todo seu corpo. E assim, de olhos
fechados, como naquele dia no bar quando dançava junto à M., solta ainda mais
seu corpo, deslizando como se ninguém mais estivesse ali. Apenas ele, sua
guitarra e o som de sua banda! Segue o show todo, assim, de maneira
intensa!  Quando na última música agradece
muito a presença de todos, olha fixamente em direção a M. e diz:



“Gostaria
de dedicar essa última música para uma pessoa muito especial! ‘Stay with me’”



Nesse
momento M. se dá conta de que, dentre tantas garotas na platéia que curtiam o
show tanto quanto ela, agora não era mais ‘apenas uma fã’ admirando seu ídolo.
Tinha, de certa forma, conseguido tocar o ‘frio’ coração de J.  Via sinceridade e muita doçura nas palavras
do rapaz, que não costumava demonstrar com facilidade seus sentimentos! Muito
emocionada, sente lágrimas rolarem em seu belo rosto, não só pelas tão belas
palavras, mas também por sua banda favorita estar tocando uma música nova! E
que música!! Como ele havia dito, em Oxford sentia-se em casa! Apresentava-se como
se estivesse apenas entre amigos! Terminado o show, ela ainda em êxtase, mas desta
vez muito segura de suas atitudes, segue rumo ao camarim. Queria muito
agradecer aquelas tão doces palavras e parabenizá-los pela belíssima atuação! Mas
ao tentar entrar na área reservada, é barrada por um segurança. Por sorte J.
estava por perto, conversando com alguns amigos e fãs.



“Ela
está comigo!! Pode liberar.”



O
segurança a libera. Ela, ansiosa, fica ao seu lado esperando-o. Ele rapidamente
termina a conversa. Olha-a intensamente e sem dizer uma palavra, segurando-a
pelas mãos Leva-a para o camarim. Assim que entram ele tranca a porta. Ela, um
tanto confusa, não sabe muito como agir diante da atitude nada comum e
intempestiva de J. 



“Foi
perfeito! Não tenho palavras...”



Tenta
dizer M. quando é interrompida pelos ávidos lábios de J. e suas mãos que já
percorriam por todo seu corpo! Leva-a para o sofá e continua ardentemente a
beija-lá. Um beijo sôfrego, urgente e intenso! Era como se o mundo fosse acabar
ali, naquele momento. Ele queria aproveitar cada minuto e desfrutar de cada
pedacinho dos lábios de sua sweet girl que retribui com o mesmo ardor e intensidade,
abraçando-o ainda mais forte junto a si. Ele recai sobre seu corpo, deslizando
sua mão pela coxa de M. por cima da meia calça, levantando de leve seu vestido,
tateando-as com muita vontade. Ela, por sua vez, conduz suas mãos ás costas do
rapaz por debaixo da camisa. Recosta seu rosto ao dele, mordisca de leve o
lóbulo de sua orelha e ofegante geme baixinho. Quando são interrompidos por um
barulho vindo de fora. Ele muito sem jeito, apressado, levanta tentando
recompor-se. Ela faz o mesmo, abotoando seu vestido e ajeitando seus cabelos.



“Perdoe
o meu desejo ardente, my sweet! Não sei o que deu em mim! Não costumo agir
assim!” – diz J. com a respiração ainda ofegante!



“Não
tem porque me pedir perdão. Estava tão bom...”



“Sério,
não estou no meu normal! Eu deveria estar relaxando! Geralmente fico morto de
cansado após o show! Estou começando a considerar que tenha colocado alguma
coisa em nosso brunch!!”



“Ahahah!
Quem sabe não coloquei mesmo! Você estava único essa noite no palco! Não sabe a
emoção que me fez sentir com suas belas palavras!! E a música nova é tão... Thank
you so much!”



“Apenas
fiz o que mais gosto! Bom, acho melhor ir ver o pessoal, larguei-os sozinhos, e
nem ajudei a guardar as coisas na van! A seu lado tenho perdido a noção do
tempo!” – diz ele destrancando a porta.



Eles
seguem para a pista. Seus companheiros de banda estavam no bar, junto a alguns
amigos, bebendo em uma conversa animada!



“Pensamos
que tivessem se perdido! Sumiram de repente!” – diz o guitarrista em tom de
deboche!



“Vocês
não vão acreditar! Fui pegar algumas coisas no camarim e M. foi me ajudar,
quando a porta travou! Ficamos presos! Só agora finalmente consegui abrir!
Preciso avisar o pessoal da produção para dar uma checada!” – responde
prontamente J. com a primeira coisa que lhe vem em mente.



“Achei
que ficaríamos presos a noite toda! Gritei tanto, mas por conta da musica alta,
creio que ninguém tenha ouvido!” – completa M. entrando na brincadeira.



“Nossa!!
Que coisa chata!” – diz o batera com cara de quem não acreditou muito.



“Estava
muito ansioso para conhecer a tão famosa M. de quem falam tanto. Eu sou W.,
amigo de longa data de J. Ouvi dizer que tem um excelente gosto musical! Quero
saber se é realmente verdade! Que tal um joguinho rápido?” – desafiador diz W. 



“Você
e seus joguinhos! Não cansa de demonstrar seus conhecimentos musicais??” –
retruca J.



“Não
me canso! Ah, você sabe que é uma de minhas diversões favoritas! Que tem de mal
nisso? Aposto que sua bela fã não vai se importar, não é mesmo?”



“Não,
em absoluto! Adoro jogos instigantes! Pode mandar! Mas tenho que ressaltar que
não costumo perder! Se quer ganhar, seja bem criativo!” – diz M. de forma muito
desafiadora ao amigo de J.



“Então
vamos lá! Duvido que conheça essa banda: Efterklang! Sabe quem são? E de onde? Diga-me
um sucesso?” – pergunta W.



“Esse
é o seu melhor? Hahahah!” – retruca M.



“Por
quê? Não vai me dizer que conhece essa? Se acertar... J. você realmente achou
uma garota à sua altura!”



“Banda
de rock experimental dinamarquesa! Um sucesso: ‘Alike’. Mas a que mais gosto é:
‘Modern Drift’. Eles tocaram no Brasil, eu os vi! Um som tão viajante... A
gente sai flutuando do show! Quem dera pudéssemos viver só de bons momentos e
de ouvir músicas tão inspiradoras... Então acho que ganhei? Ou é minha vez?” 



“Nossa!
Não é que conhece mesmo!! Já pode casar Bro. Manda uma, mas duvido que eu não
vá conhecer!” – completa W.



“Olha
só, é muito confiante você, acho que vai ser difícil mesmo...! Bom, mas vou
tentar: JJ72” – reponde um tanto certa de que também irá perder!



“Cria
nossa! Poderia ter sido mais criativa! Ou falou só para agradar J.? Aposto que
sabe que ele gosta muito deles! Trio inglês, que infelizmente terminou! Não sou
muito fã.”



“Nossa
é mesmo, acho que já li algum comentário sobre gostar deles! Mas nem lembrei.
Eu conheci o som deles bem no comecinho da carreira! Adoro!”



“Também
gosta deles! Que legal! – diz J. muito surpreso, por não ser uma banda muito
conhecida!”



“Lembra
do clipe de ‘Oxygen’? Jamais
esquecerei nossa noite de ontem!” – diz M. baixinho ao ouvido de J. – Vocês têm
um país de belíssimas paisagens, acho que deva inspirar muito na música!” –
completa para todos.



“Por
favor! Agora não! Preciso dar um pouco de atenção a meus amigos! – diz ele um
tanto desconcertado ao ouvido de M. - Ah sim, se é inspirador! Não é a toa que
temos os mais belos poetas!! – responde J. muito seguro de suas opiniões.



“A
conversa está animada, mas eu tenho um compromisso inadiável, amanhã cedo!
Terei de deixar vocês. Good night a todos! E M. foi um prazer conhecê-la,
espero volte para ver outros shows!!” – diz o guitarrista!



“O
prazer foi todo meu! Eu é que tenho de agradecer a hospitalidade de vocês! Com
certeza voltarei!”



Logo
a namorada do baterista diz que também precisa ir e ele a acompanharia. 



“Então
ficamos só nós três! Que tal mais uma rodada? A noite é uma criança!” – diz W.
sob olhares bravos de J. – Estava só de brincadeira. Também vou indo nessa, bro!
Parabéns pelo seu show! Foi maravilhoso! Já estou vendo a ótima repercussão na
mídia! – diz abraçando fortemente J. – E você M. foi um grande prazer conhecer
uma fã de J. de tão bom gosto! Espero que volte em breve para conversarmos
mais.”



“Obrigada.
E então desempatamos essa! Voltarei mais afiada.”



“Até
mais bro. Muito obrigado por ter vindo! Nos falamos.” – responde J. retribuindo
carinhosamente o forte abraço de seu amigo.



Assim
eles se despedem. Ele guarda as últimas coisas na van e diz a M.:



“Vamos?
Vou te deixar no hotel. Ah! E amanhã a que horas tem que partir? Te levo até a
estação de trem! Você vai de trem, não é?” – fala J., agora visivelmente
cansado.



“Sim,
vou de trem até Londres. Meu vôo sai às 22h. Obrigada por perguntar.”



Eles
entram na van e seguem rumo ao hotel.



“Não
sei se gostaria que me levasse. Acho que prefiro sem despedidas! Esses dias
aqui com você foram singulares! Só tenho a agradecer! Estava em um momento de
muitas indecisões e descontentamento em minha carreira! Eu precisava muito
dessas férias.”



“Fico
contente que tenha apreciado esses dias! Não me perdoaria jamais se, de alguma
forma, não gostasse de alguma coisa. Acho que deve ter percebido que tenho a
mania, até um tanto excessiva, de sempre querer agradar as pessoas!”



“Percebi!
Ai...Ai...é tão bom poder fazer feliz alguém que a gente gosta! Mas não é você
que vive me dizendo para fazer o que tiver vontade!? Ás vezes, é preciso muita
coragem para sermos nós mesmos e não o que os outros esperam que nós sejamos.”



“É
mesmo! Fico pensando que poderei estar desapontando algum fã! Ou pior, não atendendo
às expectativas da minha família! Eu vejo que eles se preocupam muito com o meu
amanhã! Acham essa vida de artista muito incerta e sem futuro. Embora minha mãe
sempre tenha me apoiado.”


“Mas
se pensarmos assim, estaremos sempre presos ao que não somos, e pior, nunca
seremos realmente felizes! Eu, por exemplo, prefiro viver de maneira mais
modesta, do que um dia ter que escrever colunas de fofoca!! Acho que também não
escolhi uma profissão muito fácil!”



“Ahahahah!
Já me arrependi de tê-la convidado. Aposto
o que vai escrever de mim! Vai contar nos mínimos detalhes o que as garotas
gostariam de saber!”



“Mais
uma vez, olha só o que pensa de mim! Eu realmente sinto algo por ti! Mas acho
que você não acredita! Chato!! Como poderia contar seus segredos aos inimigos!”



“Hahaha.
Boa! Bravinha você!”



Eles
chegam ao hotel. Ela vendo o aparente cansaço de J., não se contém e diz:



“Estou
vendo que está cansado e ainda vai dirigir até sua casa? Porque não dorme aqui?
Acho que não terá problemas em deixar a van na garagem do hotel.”



“Boa
idéia! Estava mesmo preocupado com isso. Todos os nossos equipamentos estão lá.
Vou aceitar! Ai...Ai...tão bom depois de um show poder dormir em uma cama macia,
com tudo arrumado e limpo!”



“Ah,
é só por isso que quer ficar?? Interesseiro! Só por isso vou querer a cama só
para mim! Se quiser ficar vai dormir no sofá, ele me parece bem confortável.” 



“Estava
brincando. Só queria ver você bravinha e implicando comigo mais uma vez!”



“É,
mas nessa posso levar a sério viu! Seu chato...”



“Bom,
vou ver se consigo deixar a van na garagem e já volto.”



“Tá.”



Ela
pensa em pedir alguma comidinha leve, pois já estava começando a dar fome. Pega
o menu e escolhe uma salada de endívias, com mussarela de búfala, ovos de
codorna, pancetta e croutons, que pareceu ser deliciosa! Pede também um sortido
de patês: de espinafre, de gorgonzola, de berinjela, homus e coalhada seca. E
uns pães: sírio, rústico e outros. Algumas frutas. E para beber um vinho branco
suave e uma boa cerveja, que sabe que ele gosta. Logo chega o pedido. Ela arruma
a mesa, liga um som calmo e fica esperando-o chegar! Ele, sem grandes problemas,
consegue deixar a van na garagem e assim sobe. Chegando ao quarto, logo vê a
bela mesa.



“Humm!
Que delicia! Sempre pensa em tudo!”



“Já
estava me dando fome!”



“Em
mim também! Ia justamente sugerir comermos alguma coisa. Mas... preciso de um
banho antes, musico depois de show, pode imaginar! Que tal continuarmos de onde
paramos no camarim? Acompanha-me? Agora não temos ninguém para nos
interromper.” – diz ele puxando-a para junto de seu corpo e a abraçando gostoso.



“Ótima idéia!” - baixinho diz M. a seu
ouvido. 



Ela senta-se na cama, desenlaça a echarpe
de seu pescoço, descalça as botas e tira sua meia calça. Ele faz o mesmo:
senta-se no sofá, desamarra seu coturno e também tira suas meias. Segue em sua
direção, desabotoa seu vestido. Ela faz o mesmo com sua bela camisa. E assim,
mais uma vez fica a admirar o corpo tão sonhado de seu amado. Terminam de se
despir. Ele, só de cueca, vai até à mesa e pega uma taça de vinho e um cacho de
uvas. Toma um gole, come algumas uvas e leva para M.



“As uvas estão deliciosas! Bem docinhas.
Quer?” – oferecendo-lhe o cacho a boca.



Ela come deliciosamente algumas e toma um longo
gole de vinho. Ele segura suas mãos e seguem para o banho. Ela prende seus
longos cabelos. Liga o chuveiro e entram no boxe. Desta vez M. toma a
iniciativa de beijá-lo, abraçando-o forte junto a seu corpo. Os beijos ardentes
nos lábios colados, os toques ardorosos das mãos sobre os corpos, a água
quentinha: intenso prazer! Pede para que ele vire-se, tira sua cueca, pinga
algumas gotas de sabonete liquido em suas costas e na bucha. Desliga o
chuveiro. E assim começa suavemente a esfregá-lo, sentindo o deslizar macio da
bucha em cada pedacinho de seu Lord! Para os dois, cada mínimo toque das mãos
sobre a pele, é uma intensa explosão de prazer. Segue para seus ombros e braços
com muita vontade. Passa, com mais delicadeza, em seu peito bem definido e de
poucos pêlos. Volta aos seus braços até chegar às suas delicadas mãos, que as toca
com muito carinho.



“Não imagina o quanto eu desejo cada
pedacinho de seu corpo! Mas as suas mãos... Como elas são belas.” - diz M. com
voz bem doce aos ouvidos de J.



Continua. Descendo por suas pernas e coxas,
até por fim chegar a seu membro. Tocando-o de leve, sentindo a maciez de seus
dedos ao deslizar na fina pele de veias saltadas. Liga de novo o chuveiro.
Abraça-o gostoso, acariciando seu peito, com a outra mão ainda em seu membro. Aproxima
seu rosto ao dele, com respiração já ofegante, mordisca de leve o lóbulo de sua
orelha. E começa, com movimentos lentos, a tocá-lo. Junto a dizeres em seu
ouvido:



“Você é a medida exata do meu desejo! Mas,
nesse momento exceda-se, é uma ordem my Lord!!”



E assim, ouvindo aquelas palavras ditas de
maneira tão desejosa, sentindo arrepios por todo o corpo e com respirações cada
vez mais ofegantes, ele goza! Desliza suavemente sua mão pelo braço de M.,
chegando assim à sua mão.



“Você tem mãos tão macias my sweet! E não
imagina o quão maravilhosos são seus toques!” – diz sexy virando-se de frente a
M.



Desliga o chuveiro. Despe sua última peça
de roupa e com muito desejo beija-a a boca com sabor de vinho. Pega a bucha,
pinga algumas gotas de sabonete, abraça-a junto a si, levando suas mãos às costas.
Passa para seus ombros e braços, até chegar às suas mãos, que tanto deram-lhe prazer.
Volta para seus braços, seguindo até seus seios, que segura-os de leve,
deslizando suavemente! Percorre sua barriga. Chegando por fim a sua parte
intima, acariciando-a, com olhares de grande contentamento!



“It's hard to
resist.” – diz J.



Ela, ouvindo aquelas tão ardentes palavras,
vendo seus tão desejosos olhares, e sentindo seus tão delicados toques, geme
gostoso com feições de muito prazer.



“I’m lost in
your yes! They are sooo deep… I never come back my Lord.”



Aquelas palavras ditas de maneira tão
verdadeira e carregadas de sentimento, soaram como acordes marcantes de uma
linda canção aos ouvidos de J.  Liga o
chuveiro. Ele, com mais ardor, mas em movimentos ainda muito suaves, continuando
com seus toques! Aproximando ainda mais seu rosto ao dela e cantando baixinho,
de forma muito sexy, aos seus ouvidos.



“Desire is
hunger…is the fire I breathe… Love is an angel, disguised as lust… My
sweet girl"



Naquele momento, nem mesmo a referência,
tão bem usada, à Patti Smith, tinha importância a M. As únicas coisas que
faziam sentido agora, eram seus tão ardorosos toques e sua tão instigante voz!!
Sentia-se única, desejada e queria viver aquele momento com muita intensidade!



“Está tão bom...Não pare my Lord!!” – diz
M. com voz muito ofegante.



Ele continua intensificando ainda mais seus
toques! E ela segurando forte as costas de J., e com espasmos que tomam todo
seu corpo, goza intensamente, recaindo em seus braços! Ele a ampara envolvendo-a
junto a seu corpo, e ajeitando uma mecha de seus longos cabelos e beija-a deliciosamente.
O prazer proporcionado por M. a seu doce Lord, havia sido retribuído ainda mais
intensamente! Naquele momento pouco importava dar nome ao que estavam vivendo e
muito menos seguir scripts. A única coisa que fazia sentido aos dois era
satisfazer o desejo um do outro, proporcionando assim muito prazer. Saem do
banho. Ela empresta uma roupa limpa para ele dormir. Vestem-se. Ele vai até a
mesa, enche a taça de vinho. Surpreso, pega a cerveja e um cacho de uvas. Sentam-se
no sofá, ela deita a cabeça ao peito de seu amado e ficam um bom tempo em
silêncio apenas se curtindo. Mãos entrelaçadas, caricias suaves, beijos ternos,
cafunés... Ele abre a cerveja e, com muita vontade, bebe um longo gole sentindo
o deslizar macio e gostoso de sua bebida favorita.



“Obrigado pela cerveja. Até que, para quem
não gosta, escolheu muito bem! Deliciosa e cara por sinal! Assim acabo ficando
mal acostumado.”



“De nada! Hoje é uma noite especial! Como
sei que gosta de beber após o show, quis agradá-lo! Mas tenho de confessar:
pedi ajuda na recepção.”



“Ahahaha, de boa! O que vale é a intenção!
Você tem muitos outros talentos!”



“Ai...ai... Está tão bom ficar aqui. Se
pudesse não sairia mais de seus braços! Mas está batendo uma fome! Que tal comermos
agora?” – diz M. batendo de leve a mão repousada ao peito de J.



“Tão bom poder relaxar assim após um
show... Ainda mais tão bem acompanhado! Também estou com fome.” - diz ele com
um breve selinho.



Eles seguem para a mesa. Comem a salada. E
começam a experimentar os patês!



“O patê de espinafre está delicioso! Quer?”
– diz oferecendo um pedaço de pão a boca de M.



“Humm... apetitoso mesmo!” – aceita M.
degustando deliciosamente.



“Espinafre lembra muito minha infância... Cresci
acostumado a comer muito bem! Minha mãe fazia uma adaptação de uma comida muito
tradicional aqui bubble and squeak, um bolinho de batatas com caldo de carne e
legumes. No lugar dos legumes mais comuns ela usava espinafre. Hummmm. Deliciosa
receita! Talvez por isso seja tão exigente com comida!”



“Humm... deve ser bom mesmo! Comidas da
infância são tão gostosas e ficam para sempre em nossa memória!!  A minha mãe costumava fazer um bolinho típico
no Brasil: bolinho de arroz. Também vai batatas. Na verdade purê de batatas,
arroz cozido, um ovo, farinha de trigo e queijo ralado. Mas ela acrescentava
creme de espinafre! É um bolinho frito. Eu a ajudava fazer. Era uma farra só.
Terminávamos com guerra de farinha, e abraços bem apertados! Bons tempos
aqueles, da infância...”



“Nossa se eram! Não posso reclamar de minha
infância em família! Das pescarias com meu pai... Só não gostava muito de minha
escola. Tradicional e careta demais, não podia fazer nada! Cheia de regras! Fuck
the rules!! Aprendi muito mais fora dela, com meus amigos.”



“Ahahaha. Eu também aprendi mais com os meus!
Ah... as tardes que passava na casa deles ouvindo musica! Punk você? No creo!
Ai... ai... Olha que me apaixono ainda mais!” - 
diz M. fazendo charme.



“Creio que eu seja um roqueiro! Não sou?
Eles costumam ser punks e contra as regras! Tenho que ser...! Mas na verdade,
acho que sou apenas alguém que gosta de quebrar as regras, e que sempre quis
provar para todo mundo que não precisava provar nada a ninguém! Até da regra de
ser punk! Apenas acredito no que acho ser justo e não acredito em nada além do
que duvido! Confuso eu, no entanto!”



Completa J., pela primeira vez dizendo
palavras tão pessoais sobre si! Atitude essa que emociona M., pela confiança
demonstrada pelo rapaz! 



“É verdadeiro! Isso sim! Você pode ser o
que quiser: roqueiro, punk, artista, tatuado, cheio de piercings, mas nunca vai
fugir de sua essência e dos princípios que carrega de sua criação! Vejo em você
um garoto assustado, tentando descobrir-se. Buscando voltar à sua essência! Corrija-me
se estiver errada! Eu também estava me sentindo assim. Por isso precisava tanto
dessa viagem!”



“Tatuagem! Eu?! Imagina!! Muito menos piercing.
Tenho dificuldade de falar sobre mim! De dividir minhas incertezas! É, talvez eu seja esse garoto...talvez...” -
diz j. muito hesitante em suas palavras.



“Se não quer falar sobre isso, tudo bem!
Entendo. Você mal me conhece e eu te questiono dessa forma! Desculpe-me! Quanto
à tatuagem, você ficaria ainda mais gato. Uma vez vi uma linda, eram delicadas
ondas do mar em azul e um barco, no braço, ficaria lindo!!”



“Sea, boats, hummmm... Maybe... Não peça
desculpas. Saiba que me ajudou muito nesses últimos dias! Não sei o que seria
de mim com aquela dor se estivesse sozinho! Bom deixa para lá! Hoje é sua
última noite aqui... falemos de coisas mais agradáveis! Sabe que sentirei falta
de comer tão bem! Você se preocupa tanto comigo que nem sei como agradecer!”



“Mas eu sei: um ep autografado e uma
paleta, que já estará de bom tamanho!”



“Nossa é mesmo! Nem lembrei-me! Ainda temos
alguns, peço para o pessoal assinar e te trago antes de viajar! A comida daqui
é realmente deliciosa! Obrigado! Acho bom irmos dormir. Se levantarmos cedo
amanhã, ainda aproveitamos alguma coisa antes da viagem.”



“Boa! E você deve estar cansado do show.”



“É, estou um pouco.”



Ela arruma algumas coisas enquanto J. ajeita-se
gostoso na cama macia. Ela logo também se deita. Entra de baixo das cobertas, e
desta vez tomando a iniciativa, acomoda-se gostoso ao lado de seu Lord, que agora estava com uma feição mais séria.
Talvez pensando na conversa mais íntima! Ela fica admirando-o, desliza
delicadamente sua mão em seu belo rosto, ajeitando seus macios cabelos; ele,
por sua vez, fecha os olhos. Ela da-lhe um beijo afetuoso ao rosto e diz:



“Good night my
little Lord.”



“Good night my
little sweet...” – diz ele quase adormecendo



Assim pegam no sono. Durante a noite ela
acorda percebendo que ele não tinha um sono muito tranquilo. Revirava-se muito na
cama, inquieto, com respiração ofegante e feições mais tensas! Hesitante em
acordá-lo, toca de leve em seu peito, afagando-o, e pedindo mentalmente que ele
se acalme. Assim que sente ele mais calmo, volta a dormir; preocupada e
pensando que deveria ficar mais tempo em Oxford. Mas também, pensando em suas
obrigações e que realmente teria que voltar!



O último dia é chegado! Ela muito ansiosa,
acorda bem mais cedo do que ele. Pensativa. toma um longo banho! Estava uma fria
manhã, então resolve vestir uma roupa mais quentinha. Calça jeans, camisa também
jeans com detalhes floridos, e uma blusa de kashmir cor gelo, que comprou em
uma liquidação em uma loja indiana na Vila Madalena; uma sapatilha bico fino, com
uma abertura que deixava parte de seus delicados pés à mostra, em mesmo tom da
blusa. De acessórios: um anel super gracinha, com um pequeno e delicado
coração, todo em ouro; e a mesma corrente e pingente do show de ontem. Seria
seu último dia em Oxford! Queria muito fazer-se marcante e impressionar J.! No
cabelo, resolve fazer um look mais trabalhado: parte solto e parte preso em uma
coroa de tranças. Perfuma-se! De maquiagem apenas um batom cor de boca.



Segue para o quarto! Termina de arrumar as
malas, sem fazer muito barulho, para não acordá-lo. Pede o café da manhã como
pediu nos dias anteriores. Encerra sua conta. E ansiosa, fica esperando que ele
acorde, pensando em tudo que vivera nesses últimos dias. Lembrando dos
maravilhosos shows que pode ver! Do delicioso jantar com seus amigos. De quando
saíram para dançar, na animada noite de Oxford. Dos momentos deliciosos de
prazer que tiveram juntos! E do desejo tão intensamente retribuído por ele! Já
sentia viva a saudade em seu corpo; que fazia-a ter vontade de não voltar! Mas
sabe que tem de voltar! As férias estavam terminando e ela não teria como se
manter financeiramente por muito tempo! Estava tão distraída sentada no sofá,
com seus pensamentos, que nem se dá conta de que ele acordou.



“Good morning my sweet! Linda como sempre! –
diz ele beijando-lhe brevemente a boca. – Em que pensava tão concentrada? Em
mim, aposto um beijo.”



“Good morning
my dear…! Ai…Ai… Pensava que tenho de voltar para casa! Pagar
minhas contas! Aturar meu chefe! Meu trabalho maçante... Foi mal!! Acho que
acordei meio assim hoje! E você, tudo bem? Percebi que não dormiu bem! Estava
inquieto à noite.”



“Tive um sonho ruim, mas não foi nada
demais, logo passou!”



“Que bom. Pedi o café, vamos?”



“Sim.”



Eles sentam-se à mesa. E sem saber muito
que dizer um ao outro, degustam sem muita pressa, pela última vez, aquele
maravilho café da manhã!



“Mais uma vez obrigado! Estava tudo delicioso!
A que horas vai pegar o trem? Pensei em ir agora, deixar as coisas em casa e
buscar o EP! Volto logo para fazermos alguma coisa antes de ir! Que acha?”



“Posso pegar o trem até às 18h com folga.
Gostei de sua  idéia.” - diz M. um tanto
receosa



Ele troca de roupa. Joga uma água rápida no
rosto. Pega suas coisas e diz:



“Então até mais! Tentarei não me demorar!”



Quando chegava a porta é surpreendido por
M.



“Não poderia deixar ir sem antes...” – diz
ela abraçando-o muito forte junto a seu corpo, acariciando seus macios cabelos
e beijando-lhe ardentemente à boca. 



Ele, por sua vez, larga suas coisas ao
chão, retribui beijando-a e a abraçando ainda mais intensamente! Com suas ágeis
mãos já percorriam todo seu corpo!



“Preciso ir my sweet! Não se preocupe, eu volto
logo!”



“Eu sei... Mas não pude resistir. Precisava
sentir meus lábios colados aos seus mais uma vez! Jamais esquecerei o gosto de
seus beijos.”



Despedem-se! Ele pega a van e segue para
sua casa! Ela espera alguns minutos. Liga para a recepção, pede para buscarem
suas malas e chamarem um táxi. Escreve um rápido bilhete, coloca em um
envelope, o beija, o perfuma e deixa na recepção. Pega suas malas de mão e
parte rumo à estação de trem! Decidida, achou melhor assim, sem despedidas! Segue
o trajeto a admirar atentamente, pela última vez, a bela paisagem, como se quisesse
gravá-la em sua memória para sempre. E assim embarca no primeiro trem rumo a
Londres!




  Continua!





Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
A história verdadeira de Lia,seus sonhos e desejos há 1 dia

Sou Lia,18 anos e a história que começo a narrar mudou minha vida... T...
laureen Virgindade 20


Voltei mas pedi seu cuzinho virgem há 1 dia

Voltei mas pedi seu cuzinho virgem como prova de amor ...sexo delicioso,tes...
laureen Virgindade 30


Vizinho jovem safado e seu primo me fuderam há 1 dia

Vizinho jovem safado e seu primo me fuderam Leo me deixava louca, estava ...
laureen Grupal 44


fuderam a bucetinha da minha namorada há 1 dia

fuderam a bucetinha da minha namorada liberal,sexo total delicia Meus mome...
laureen Grupal 24


Mana dormiu em casa e meu marido mandou rola há 1 dia

Minha irmã safada e fogosa adoro rola atolada na sua bucetinha e cuzinho d...
laureen Grupal 50


Davi no tempo certo, fez a Fer sentir o pau duro d há 2 dias

Davi no tempo certo, fez a Fer sentir o pau duro dele, a vagabunda pirou de...
bodiar Traição/Corno 42