Party Fancy

13 de Junho de 2014 GatsBaby Contos Eróticos 1887

Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria


Era simplesmente um convite que eu e minha amiga, Alessandra, recebemos para uma festinha que seria realizada com os formandos da faculdade, por tal motivo era estranho devido o fato de sermos novatas e estarmos cursando ainda o primeiro período. Entretanto, Alessandra com seu jeito desinibido e cheia de contatos por ai tinha ao menos um motivo para ser convidada, mas eu?! A explicação dela foi bem superficial: "Você é bonita e minha amiga. Isso basta!". Não era um real justificativa, porém, encontrar outra seria quase impossível.

Comecemos pela temática da festa: Party Fancy, ou seja, festa fantasia. Não que eu nunca tivesse ido a uma festa fantasia, contudo, o mistério real concentrava-se nas letras miúdas no canto inferior do convite: "Fantasia entregue na festa".

De início não quis ir, no entanto, em meio aos dramas de Alessandra deixei-me levar. Sábado a noite, preparada para os futuros embalos, juntas fomos ao local onde ocorreria a festa. Era um tanto distante de nossas casas e de estrutura imaginável por mim. Um hotel de imagem toda formal, bem planejada e aparente de abrigar gente de classe média alta com bastante "luxo", assim digamos, para uma festa de despedida aos formandos.

 Entramos, eu pessoalmente uma "ensabiada" com tudo aquilo, de início ao fim, sem dizer muitas palavras. Falamos com a senhorita da recepção que gentilmente nos designou e pediu a uma outra moça, bem novinha mesmo, para levar-nos até lá. 

Primeiramente, fomos a uma sala, na qual entramos e ela, por sua vez, entregou nossas fantasias dentro de caixas com nomes já específicos a cada convidado e nos levou a uma saleta para nos arrumar, colocar nossas roupas originais dentro da caixa e entrarmos na festa por uma segunda porta ali presente. 

Assim fizemos. Em poucos minutos já estávamos arrumadas, adornadas com um véu finíssimo que permitia a vista da saia longa e cheia de tecidos a altura da cintura que permitia o aparecer da barriga com a blusinha curta, pouco maior que um sutiã, aos estilos indianos rústicos de uma odalisca.

Juntas, entramos a festa com tal temática. O chão era todo acolchoado com almofadas grandes e véus entrelaçados e esticados e lado a outros com luz fraca alterando-se de cores e música árabe para fechar. 

Seguimos entre todos os convidados trajados igualmente sendo instigadas a dançar e entrar na maior curtição ali encontrada. Uma festa aos moldes do "ninguém é de ninguém" com toda sensualidade do cenário e o mistério das pessoas ali presentes.

Circulamos por algum tempo juntas, eu e Alessandra, todavia o inevitável ocorreu e fomos puxadas pelos instintos humanos em conjunto ao desejo carnal que todos ali possuía. Era de se esperar os conseguintes. 

Logo fui tomada por um beijo de um desconhecido no momento em meio a vários toques e alisamentos que, confesso ser muito excitantes.

Que assim fosse, ficamos ali, encostados a uma coluna no salão nos amassos surreais, vorazes, que tiravam totalmente o fôlego. Assim ficamos até o interrompimento de outro rapaz ao dizer que alguém em algum lugar o chamava, indo e me deixando só.

Afastei-me um pouco do "centro" onde estava e me aproximei de uma janelinha para pegar um pouco de vento. Estabeleci-me ali por um tempo até ser abordada por um rapaz de aparência realmente jovem e meiga pouco mais alto que eu de braços rijos e fortes, porém não muito musculosos. 

Falava educadamente e de forma dócil sem deixar uma pitada de "taradisse" de lado. Começou com brincadeiras e aos poucos foi chegando mais perto me acochando, apertando minha bunda, beijando ora meu pescoço ora meus lábios encurralando-me a parede sem mais nem menos. 

Aos poucos fui deslizada para cima e sua mão entrou por baixo da saia, subindo ao encontrar com minha bucetinha que naquele momento estava já molhadinha.

Senti-me cada vez mais possuída por aquele rapaz que me dominara. Sua mão rasgara o tecido que impedia o contato com minha bucetinha e começou a massageá-la, brincando com meus clítoris e grutinhas com seus dedos num entra e sai de um, dois, três...

Após divertir-se com tal, colocou seu mastro para fora e anunciou a penetração que ao mesmo tempo ocorreu. Aquele pau rijo e saudável de aparência avermelhada, pulsante com suas veias, grosso e comprido deixava minha xana louca pedindo mais e mais. E ele me mexia, num sobe e desce, levantando-me e abaixando numa união surpresa perfeitamente deliciosa. 

Meu interior em chamas dando um orgasmo atrás do outro que meu melzinho servia como total lubrificante para aquela tora que dominava minha buceta.

Contorcia-me toda com tal prazer de infinita qualidade. Ao cansar dos braços do rapaz, coloquei-me de pé um tanto tremula e sem forças ainda devido ao delírio, virei de costas e logo ele meio com a ferramenta de tanto valor. Dentre as juntas de tecido, seu pênis encontrou o caminho até minha grutinha e voltou a penetrá-la, dessa vez, mais veloz e fogoso fazendo-me sentir arrepios apor toda coluna. 

Bombava de forma animal, totalmente selvagens, sem mais nem menos, forte e indomável que chegava que chegava a causar certa dorzinha gostosa. Sentia já meu gozo em resultado de orgasmos contínuos que escorriam já por minhas coxas e minha bucetinha latejante.

Devido as situações não foi possível mudarmos muitas vezes de posição, mas aquilo bastou para minha total frenesi e satisfação. Em meio ao tenso e quente clima adornado e alimentado por tensão de ambos, demorou, contudo quando veio, veio com tudo. Ele gozou intensamente em minha bucetinha com jatos fortes que sentia aquela porra quente ao encontro com minha vagina e descendo por minhas pernas. 

Logo após ejacular, ele tirou seu pênis ainda rijo, entretanto não tão duro mais, e, no meu ouvidinho veio perguntar seu por acaso, bebê queria mamar.

Ajoelhei-me perante ele e coloquei aquela pica na minha boca, iniciando o serviço e vocação. Lambia, chupava, mordiscava, pintava e bordava do talo a cabeça com real fome e até de presente ganhei um pouco de porra que ainda faltava sair.

Ali ficamos por certo tempo em amassos quentíssimos dando indícios de uma nova ereção. No entanto, por descuido acabamos nos desencontrando. 

Cansada da ação e clímax, pouco tempo depois fiquem na festa, sai, dirigi-me ao carro e esperei Alessandra ver a mensagem que havia mandado para ela e vir embora. Confesso que o mistério ali foi o maior motivador e causador de todo o tesão que senti. A única informação que consegui dele foram as pegadas de um rapaz de dezessete anos.


Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria


Leia também
buceta deliciosa da minha tia há 14 dias

Minha tia é uma mulher de 39 anos, uma coroa muito enxuta, toda trabalhada...
laureen Incesto 36


quando fui comer um cuzinho apareceu uma bucetinha há 15 dias

quando fui comer um cuzinho apareceu uma bucetinha tb demais sexo gostoso r...
laureen Grupal 82


Fodendo Gostoso com o Veterinário da nossa Fazenda há 16 dias

"Fui tomar um banho antes que faltasse luz, eu estava em um misto de apr...
dammasafada Aventura 68


ENTRE TAPAS E BEIJOS COM MINHA TARADA! há 16 dias

Há anos que não visitava aquela cidade litorânea e como teria que ficar ...
luiz_sanches Hetero 51


Futebol e Sexo - Sempre tem um cuidando do alheio há 17 dias

Herbert e Luzia, um casal jovem, ele com seus 23 anos e ela com seus 19 ani...
juck Aventura 71


Como desvirginei a putinha de minha filha delicia há 19 dias

Como desvirginei a putinha de minha filha, delicioso tesão demais,bucetinh...
laureen Incesto 255