DE VOLTA À PIZZARIA - Capítulo 26

19 de Março de 2018 Carlao 1978 Traição/Corno 202

Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria


DE VOLTA À PIZZARIA

CAPÍTULO 26

ATENÇÃO

ESSE É O VIGÉSIMO SEXTO CAPÍTULO DA FASE 2 DA SÉRIE “A PIZZARIA” . ANTES DE PROSSEGUIR COM A LEITURA, LEIA, NESTE MESMO SITE, A FASE 1 DA SÉRIE ORIGINAL (A PIZZARIA), DO MESMO AUTOR. OBRIGADO.


DE VOLTA À PIZZARIA
CAPÍTULO 26


Antes de a Vera sair do banheiro, fui até o quarto onde dormíramos, que continuava com os colchões no chão, e abri as frestas da veneziana da janela, para que pudéssemos ser espiados pelo Bruno. Ele ficaria no corredor externo da casa, entre o muro alto da divisa com o imóvel vizinho, e o nosso quarto. Tive o cuidado de cerrar parcialmente as cortinas, mas deixando uma fresta de aproximados vinte centímetros, para que ele pudesse satisfazer o seu desejo.


Eu ainda estava ajeitando os lençóis nos colchões do chão, quando, olhando detidamente para a fresta semiaberta das cortinas, vislumbrei um vulto pelo lado de fora, e deduzi que o namorado da Denise, ágil, já estava em campana, para nos observar. Quando eu intencionei sair do quarto para chamar a princesa de olhos claros, a porta se abriu, e ela surgiu. Então, puxei conversa levando-a para o assunto da cena que presenciáramos há poucos instantes, sabendo que ele nos escutava:


—Você viu como eles foderam gostoso, Vera?


Ela foi respondendo:


—Nossa, Edu. Que loucura tudo aquilo!


—Ainda estou molhadinha!


—Como eles são doidos hein!


—E ficaram mais doidos ainda quando perceberam que eu e você os espiávamos, Vera!


Depois, eu lhe perguntei:


—Você não tem desejo de ser vista assim, Vera?


Ela respondeu-me:


—Não, Edu. Os únicos homens que me viram nua foram você e o meu ex-marido, amor.


—Eu não teria essa coragem toda, não.


—Mas eu morro de tesão quando te vejo pelada, Vera.


Ela se interessou:


—Huumm. Edu.


—Aos poucos, você está me excitando!


—Você só me ensina loucuras, safado!


Sentando no estrado de madeira de uma das camas laterais, mas quase de costas para a janela (ou para o Bruno) eu lhe pedi:


—Então faça um streap tease pra mim, Vera.


Surpresa, ela murmurou:


—Uiiii. Que loucura, meu bem!


—Você quer mesmo que eu faça isso, safado?

Rindo, ainda provocou-me:


—Igual nos filmes?


—Claro amor. Você com esse vestido longo escondendo tudo, deixou-me com tesão.


Em seguida, após trancar a porta do quarto à chave, e ajeitando o coque que lhe prendia os cabelos, quis confirmar o meu desejo:


—Você quer mesmo que eu fique pelada pra você, desse jeito demorado, meu amor?


—Sim, Vera. Vou ficar aqui sentado assistindo tudo.


—Então, me espere um minuto. Pediu-me.


Talvez interessada em extravasar a sua fantasia de atriz pornô, em seguida, ela agachou-se no chão e pegou dentro da sapateira de um dos criados mudos, um dos pares de sapatos altos, de cor preta, que os usava no banco, e os calçou.
Depois, para abrir espaço, colocou um dos colchões que estava no chão sobre o outro, e finalmente iniciou:


Agora, simulando uma dança sensual, e de pé, ela desprendeu os longos cabelos castanhos, balançando-os suavemente com a cabeça, enquanto exibia o seu lindo sorriso. Mais uma vez, tive que reconhecer quão linda e gostosa era a minha cunhada.


Em seguida, com movimentos suaves no corpo, virou-se de costas para mim, e abriu o zíper do vestido, mostrando parcialmente as costas nuas e o fecho do soutien.
Depois, “dançou” mais um pouquinho, e ainda de costas, com o zíper do vestido aberto, soltou o pequeno fecho que unia suas duas pontas. Virando-se, de frente, fez novos movimentos sensuais com os quadris, e tirou a alça do vestido, do ombro direito, descendo-a.



Repetindo os mesmos gestos, fez descer a alça do ombro esquerdo, e ficou segurando o vestido com uma das mãos, para que ele não caísse aos seus pés.
Novamente, ficou de costas para mim —e para a janela—. Agora rebolando cadenciadamente, Vera foi abaixando o vestido e mostrando as costas nuas, mas, quando a parte de cima da calcinha branca começou a apontar, ela segurou a peça, subiu-a, e virou-se de frente.


Em seguida, tornou a abaixá-lo, mas somente até a altura do soutien, ainda escondendo os bojos que guardavam lhes os enormes seios.
Por um instante, ela assim ficou parada, olhando-me maliciosamente, até que desejou prosseguir, e deixou o soutien todo à mostra, mas o vestido ainda encobria a calcinha.


Então, mais uma vez, ela virou-se de costas para mim (ou para nós), e lentamente foi baixando o vestido vermelho, fazendo surgir as primeiras partes da calcinha fio dental branca. Depois, ainda de costas, Vera deu mais uma rebolada e, daí sim, soltou a peça de vez, e o vestido foi ao chão.
Em seguida, ela o empurrou para o lado com um dos pés, e agora, somente de calcinha e soutien, repetiu a mesma dança sensual do inicio, olhando- me de frente, e jogando-me beijinhos.



Depois, ficou novamente de costas, e colocou suas mãos para trás, soltando o fecho do soutien. Porém, o manteve seguro, com uma das mãos.
Novamente rebolando de costas para nós, Vera finalmente deixou cair o soutien, e quando ele tocou nos seus pés, após chutá-lo devagar, virou-se exibindo-nos os seios nus.



Não resistindo a tanto tesão, tirei o pau para fora, e comecei a acariciá-lo enquanto aguardava a princesa prosseguir.


Com os saltos altos, e os cabelos esvoaçantes, Vera estava sensualíssima exibindo-nos os enormes seios de bicos rosados, e a minúscula calcinha fio dental branca.
Continuando, ela voltou a rebolar de costas para nós, e puxando lentamente a calcinha pelos lados, a desceu um pouco, e mostrou-nos o reguinho. Rebolando mais, mostrou-nos a polpa da bunda.


Em seguida, ela abaixou mais a calcinha, e logo o seu imenso rabo estava todo exposto. E assim continuou até que a peça tocou lhe nos joelhos, depois nos calcanhares, até que finalmente passou pelos sapatos de saltos altos.


Agora sim, linda e maravilhosa, ela estava completamente nua, de costas para nós.


Finalmente, sem ter nada a esconder, e terminando a minha (ou nossa) tortura, Vera virou-se devagar e, sorrindo, nos mostrou sua maravilhosa rachinha depilada.
Em seguida, pegou a calcinha que estava ao chão e a jogou em minha direção, com se quisesse acertá-la no meu pau. Como a peça caíra próxima aos meus pés, eu a peguei e a enfiei no cacete duro, fazendo-o de cabide.


Dengosa, Vera enfiou um dedo dentro de si, e depois o levou à boca. Ainda de pé nos saltos altos, fez-me sinal com o dedo indicador, como se chamasse um cachorro. Agachado ao chão, obediente, fui rastejando até ela, e fiquei embaixo de si. Depois, fui lamber lhe a buceta, enquanto ela segurava-me pela cabeça.
Doida de tesão ao sentir as lambidas no sexo, Vera abriu as pernas de vez e, por baixo, consegui penetrar-lhe a língua.


Aos poucos ela fora se excitando, até que explodiu gritando alto, com a língua no sexo:


—Aiiiiiiiiiiiiii........ Você quer me matar filho da putaaaaaa


—Safaadooooooo!


—Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii


Nessa hora, puxei-a pela bunda, e penetrei lhe um dedo no cuzinho. Ela gritou novamente:


—Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii


—Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii


—Cachorrooooooooooo


Aos poucos ela foi se recompondo, enquanto eu lhe esfregava os lábios nas coxas, para limpar o mel que lambuzara a minha boca.
Então, livrei-me de toda a roupa; ela dos saltos altos; e fomos nos deitar nos colchões.
Evidentemente, por eu ainda não ter gozado, o meu pau estava super duro, e doido de vontade de fodê-la.



Para que ela pudesse ser bem observada, deitei-me de costas no colchão, com a barriga para cima e a chamei para cavalgar-me, com o traseiro voltado para a janela.
E, assim aconteceu: Vera subiu em mim, e ela própria segurando-me o cacete, guiou-o à entrada da buceta, e soltou o seu corpo bem devagar sobre a verga, fazendo-me adentrar em si.



Quando ela começou os movimentos do galope, lhe engoli um bico do peito, e arreganhei lhe a bunda, para que o voyeur simultaneamente lhe observasse o cu, e o meu pau entrando e saindo da buceta.
E, assim, nesse estranho e inusitado cenário de voyeurismo, gozamos juntos mais uma vez:


—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII


—AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII



Continua no próximo conto...

e-mail: [email protected]


Reportagem especial (UOL)
Dona de Casa revela na Internet: A pílula milagrosa que curou a disfunção erétil do MARIDÃO pra sempre! Ler matéria


Leia também
TEMPOS DE TERROR há 18 horas

TEMPOS DE TERROR Luciana está quase chegando na casa de seus avôs. Al...
marcela Fetiches 15


Enquanto Gustavo dormia... [a melhor parte] há 20 horas

Ontem, compartilhei com vocês uma gostosa aventura que tive, por intermé...
diegomelo Grupal 15


De virgem a puta num piscar de olhos há 20 horas

De virgem a puta num piscar de olhos Luciana, a Lu com 14 anos. É uma l...
marcela Sadomasoquismo 22


UMA HEROÍNA EM APUROS há 21 horas

UMA HEROÍNA EM APUROS - Pode entrar senhorita, o doutor Fernando a espe...
marcela Fetiches 9


Enquanto Gustavo dormia... há 2 dias

Hoje seria só mais um sábado sem graça, daqueles que a gente desliga o c...
diegomelo Jovens 50


bucetona gordinha e deliciosa da minha sogra caren há 3 dias

Meu amigo Julio mandou-me um conto sobre como fudeu sua sogra enquanto sua...
laureen Coroas 59